terça-feira, 5 de outubro de 2010

Alegrai-vos nas tribulações!

Todos nós, durante a trajetória de nossas vidas, passamos por aflições, por dias difíceis, por tribulações e lutas. Mas apesar de sabermos disso, no momento que estamos lá, diante dos problemas, dos desafios da fé, diante das tempestades da vida, das provas, das tribulações, por tantas vezes não sabemos como agir. Nos desesperamos.
Talves essa seja a sua situação neste momento. E o que posso lhe dizer, por mais difícil que seja, é que esse momento pode ser uma grande oportunidade para você crescer e amadurecer sua fé.
O poder de Deus é aperfeiçoado justamente em nossa fraqueza. II Co.12:9
São esses momentos de fragilidade, esses momentos em que a situação foge do nosso controle, esses momentos em que tudo que podemos fazer é confiar em Deus; Que ele aproveita para tratar nosso carater, nossa arrogância, nosso orgulho, a pequenez da nossa fé. Deus prova à nossa fé para que sejamos cristãos melhores. Tenha certeza: Deus tenhe um propósito em tudo isso que você está passando. E certamente o amadurecimento da sua fé é um deles. Ele quer fazer de você alguém muito mais parecido com Ele.
Atente bem para essas declarações: "Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte." II Co.12:10
"Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações" Tg. 1:2
Por mais difícil que sejam esses momentos a bíblia nos ensina que devemos nos alegrar com eles, ter prazer neles, Porquê? Porque essas provações produzirá em nós uma fé mais firme, mais constante. Afinal a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. Rm 5:3 e 4
Todos nós precisamos dessas coisas. Porém só existe uma forma de obtelas, passando por provações. Tão certo como é verdade que passaremos por dias difíceis, por tempestades, também o é que esses dias passam, que a tempestade vai embora. E quando eles passam o que fica? Aperfeiçoamento no poder de Deus, perseverança, experiência, esperança.
Temos duas escolhas a fazer nesses momentos: Ou passamos a murmurar e perdemos uma chance preciosa de crescer em Deus, ou nos mantemos firme na confiança nesse Deus de amor e cuidado para obtemos os benefícios que esses momentos podem produzir em nós.
Certamente daqui à alguns dias esse momento difícil ficará para trás, essa tempestade se transformará em uma grande bonança. E você estará mais firme e mais próximo de Deus.
Nos agarremos nessa esperança.

No amor do Deus das consolações,
Marcos Paulo Correia.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

PARABÉNS MARCOS!!!


Hoje, quase no fim do dia... Mas conseguimos chegar a tempo de felicitar o nosso líder Marcos Paulo.
Queremos em poucas palavras dizer a você o quanto és especial pra nós.
Nestes quase 13 anos de GD temos aprendido com o Senhor através da tua vida o quanto é bom servir a Jesus em amor e temor.
Marcos, nós desejamos a você um excelente ano de vida em Cristo, que a vida abundante de Cristo seja plena na tua vida.
Te abençoamos e bendizemos em nome de Jesus.

Medite em Sl.76
Temos aprendido com você sobre Asafe.

Em Cristo.
Geração de Davi.

domingo, 11 de julho de 2010

Como a corsa suspira pelas águas...

Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?

As minhas lágrimas têm sido o meu alimento dia e noite, enquanto me dizem continuamente: O teu Deus, onde está? Lembro-me destas coisas-e dentro de mim se me derrama a alma-,de como passava eu com a multidão de povo e os guiava em procissão à Casa de Deus, entre gritos de alegria e louvor, multidão em festa.

Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu. Sinto abatida dentro de mim a minha alma; lembro-me, portanto, de ti, nas terras do Jordão, e no monte Hermom, e no outeiro de Mizar.

Um abismo chama outro abismo, ao fragor das tuas catadupas; todas as tuas ondas e vagas passaram sobre mim.Contudo, o SENHOR, durante o dia, me concede a sua misericórdia, e à noite comigo está o seu cântico, uma oração ao Deus da minha vida. Digo a Deus, minha rocha: por que te olvidaste de mim? Por que hei de andar eu lamentando sob a opressão dos meus inimigos?

Esmigalham-se-me os ossos, quando os meus adversários me insultam, dizendo e dizendo: O teu Deus, onde está? Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu. SL. 42:1-11


Muito provavelmente a maior parte destes Salmos (Esses que estão registramos como sendo dos filhos de Coré) foi escrita por Davi, um homem segundo o coração de Deus, um homem que havia passado por tantas experiências, seja nos topos das montanhas, seja em vales profundos; um homem que passara pelo vale da sombra da morte e que esteve na rocha, na torre, no lugar alto. Dessas diversas experiências com Deus, ele derramou seu coração em salmos para cantar a Deus. Provavelmente Davi escreveu os salmos, deu-os ao mestre de canto para serem colocados em música, e os filhos de Coré os cantavam na casa de Deus. O Salmo 42 é o primeiro destes salmos dos filhos de Coré. Ele é um salmo didático. Este salmo deve nos ensinar e nos instruir nas coisas de Deus. Ele possui um valor permanente e eterno e é algo que devemos aprender de coração.

A maioria dos comentaristas crêem que as circunstânias em que esse salmo foi escrito, foi quando o filho de Davi, Absalão, se rebelou contra ele usurpando o seu trono. Este acontecimento está registrado em II Samuel 15. Davi teve que sair as pressas de Jerusalém. E longe de sua cidade, do seu reino, na profunda tristeza do seu coração ele, provavelmente, escreveu esse salmo.

É interessante notarmos que o que Davi sentia mais falta não era das regalias que um Rei possuía, não era de suas riquezas, ou de qualquer outra coisa. Ele sentia falta de Deus.
Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus? As minhas lágrimas têm sido o meu alimento dia e noite, enquanto me dizem continuamente: O teu Deus, onde está? Lembro-me destas coisas-e dentro de mim se me derrama a alma-,de como passava eu com a multidão de povo e os guiava em procissão à Casa de Deus, entre gritos de alegria e louvor, multidão em festa. Salmo 42:1-4

Davi queria voltar a Jerusalém, principalmente, porque ali era o lugar de culto, de sacrifícios, de comunhão com Deus. Era ali que seu povo se reunia para adorar e louvar a Deus. Ele ansiava retornar desesperadamente, a sua alma chorava por esse momento. Davi desejava muitíssimo a Deus. E na angustia de sua alma ele tentava consolá-la:
Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu. Sinto abatida dentro de mim a minha alma; lembro-me, portanto, de ti, nas terras do Jordão, e no monte Hermom, e no outeiro de Mizar. Um abismo chama outro abismo, ao fragor das tuas catadupas; todas as tuas ondas e vagas passaram sobre mim.Contudo, o SENHOR, durante o dia, me concede a sua misericórdia, e à noite comigo está o seu cântico, uma oração ao Deus da minha vida. Digo a Deus, minha rocha: por que te olvidaste de mim? Por que hei de andar eu lamentando sob a opressão dos meus inimigos? Esmigalham-se-me os ossos, quando os meus adversários me insultam, dizendo e dizendo: O teu Deus, onde está? Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu. SL. 42:5-11

O que consolava Davi não era a possibilidade de voltar a reinar, não era o seu trono, suas riquezas, mas, a possibilidade de voltar a louvar ao seu Deus. A possibilidade de voltar a estar na presença do seu Deus.

Queridos, quanto desejamos a Deus? Quanto desejamos a sua palavra? Quanto desejamos está em sua presença em oração, humilhação, adoração...?
Tenho desejado tantas coisas... riquezas, glórias humanas... perdoa-me Senhor!
O nosso problema não é a falta de tempo... que de fato está escasso. Temos que trabalhar, estudar, cuidar da família... O nosso problema é a falta de desejo por Deus. NÃO ANSIAMOS MAIS POR SUA PRESENÇA, COMO A CORSA SUSPIRA PELAS ÁGUAS.

"Senhor, quero chorar por tua presença, quero sentir tua falta e ansiar por ti, Todas as vezes que as circunstâncias me impeçam de está de forma mais profunda em tua presença. Me ajuda a desejar-te! Ajuda-nos, nós tua igreja, a desejar-te.


No amor de Cristo,
Marcos Paulo Correia.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Confiram em DIÁRIO DO GD e em AGENDA.

Bom queridos em breve estaremos com algumas novidades por aqui.
No momento temos duas novas datas em AGENDA e um breve abraço saudoso em DIÁRIO DO GD.

Passem por lá!!!

Em Cristo, GD.

sábado, 15 de maio de 2010

quinta-feira, 13 de maio de 2010

John Piper – Aos Pregadores da Prosperidade: Salvem as Pessoas do Suicídio

Esse post é o segundo de uma série de doze. O conteúdo vem de “Doze Apelos aos Pregadores da Prosperidade”, que pode ser encontrado na nova edição do “Let the Nations Be GladRegozijem-se as Nações, publicado pela editora Cultura Cristã*).

O apóstolo Paulo admoestou contra o desejo de ser rico. E por implicação, advertiu contra pregadores que incitam o desejo de ser rico ao invés de ajudar as pessoas a se livrarem disso. Ele alertou: “Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores.” (1Timóteo 6:9-10).
Essas são palavras muito sérias, mas não parecem encontrar um eco na pregação do evangelho da prosperidade. Não é errado para o pobre querer medidas de prosperidade para que tenha o que precisa, e possa ser generoso e dedicar tempo e energia a tarefas que exaltem a Cristo em vez de lutar para sobreviver. Não é errado buscar ajuda em Cristo para isso. Ele se importa com nossas necessidades (Mateus 6:33).
Mas todos nós — pobres e ricos — estamos em constante perigo de firmar nosso amor (1João 2:15-16) e nossa esperança (1Timóteo 6:17) nas riquezas ao invés de em Cristo. Esse “desejo de ser rico” é tão forte e tão suicida que Paulo usa a linguagem mais forte para nos alertar. Minha súplica é para que os pregadores da prosperidade façam o mesmo.
Por Jonh Piper

quarta-feira, 5 de maio de 2010

John Piper – Aos Pregadores da Prosperidade: Não Tornem o Céu Mais Difícil.

Esse post é o primeiro de uma série de doze. O conteúdo vem de “Doze Apelos aos Pregadores da Prosperidade”, que pode ser encontrado na nova edição do “Let the Nations Be Glad” (Regozijem-se as Nações, publicado pela editora Cultura Cristã*).

Jesus disse: “Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!” Seus discípulos ficaram espantados, tão quanto ficariam frente ao “Movimento da Prosperidade”. Então Jesus elevou ainda mais o espanto deles, dizendo: “É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus.” Eles responderam em descrença: “Então, quem pode ser salvo?” Jesus disse, “Para os homens é impossível; contudo, não para Deus, porque para Deus tudo é possível.” (Marcos 10:23-27)
Isso significa que o espanto dos discípulos tinha fundamento. Um camelo não pode passar pelo fundo de uma agulha. Isso não é uma metáfora para algo que requer muito esforço ou humilde sacrifício. Não dá para ser feito. Sabemos disso porque Jesus disse Impossível! Foi a palavra Dele, não a nossa. “Para os homens, é impossível.” O ponto é que a mudança de coração exigida é algo que o homem não pode fazer por si mesmo. Deus precisa fazê-lo — “... contudo, não [é impossível] para Deus.”
Não conseguimos nos fazer parar de valorizar o dinheiro acima de Cristo. Mas Deus pode. Isso são boas novas. E isso deveria ser parte da mensagem que os pregadores da prosperidade anunciam antes que incitem as pessoas a se tornarem mais como um camelo. Por que um pregador iria querer anunciar um evangelho que encoraja o desejo de ser rico, confirmando deste modo as pessoas em seu desajuste ao reino de Deus?

quinta-feira, 29 de abril de 2010

quarta-feira, 21 de abril de 2010

O que fazer diante das dificuldades?

" Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam, Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre. Quanto a mim, bom é estar junto a Deus. No Senhor ponho o meu refúgio, para proclamar todos os seus feitos". Sl. 73:26 e 28.


Ao lermos esse trecho do Salmo 73, ficamos maravilhados com o nível de confiança e de entrega do salmista Asafe. Com certeza todos nós gostaríamos de expressar, com a mais singela sinceridade, uma declaração como esta descrita nos versos citados.
Falar isto é o mesmo que dizer: Ainda que dê tudo errado, ainda que eu sofra dores e aflições, ainda que o mundo inteiro se levante contra mim, ainda assim, Deus é a fortaleza do meu coração. É fácil? Não, não é fácil.
Mas, ao lermos todo o Salmo, percebemos que algo aconteceu para que ele pudesse amadurecer a sua confiança em Deus. Afinal, Asafe começa o Salmo compartilhando justamente um momento de fraqueza. no vs.2 ele diz: " Quanto a mim quase resvalaram os pés, pouco faltou para que se desviassem os meus passos". E qual era o problema do salmista Asafe?
Ele estava tendo inveja da aparente prosperidade dos ímpios. Estava tendo a falsa impressão que a vida daqueles que viviam longe de Deus, era melhor e mais sossegada do que a dele que vivia servindo a Deus.
Ele tinha tirado seus olhos do Senhor e os tinha posto nos homens, nas circunstâncias.
Os vs. 3-14 relatam todo o seu conflito. O salmista chega a dizer no v.13: "Com efeito, inutilmente conservei puro o meu coração e lavei as mãos na inocência". Esta declaração nos dá a idéia da confusão que estava a sua vida. Algo precisava acontecer para que ele voltasse a enchergar as coisas pela ótica de Deus.

O salmista fez exatamente o que tinha que ser feito, fez o que todos nós temos que fazer quando passamos por momentos de aflição, de dúvidas, de desespero.
Ele parou na presença de Deus e o buscou. O vs.17 diz: "Até que entrei no santuário de Deus e atinei com o fim deles".
Asafe entendeu que o fim dos ímpios é diferente do fim dos justos. Que aos ímpios está destinada a morte eterna ( a menos que se arrependam e entreguem as suas vidas a Jesus) e para nós, os que crêem em Jesus a vida eterna. Que motivo é maior que este para descansarmos e confiarmos em Deus, para nos alegrarmos e ficarmos tranquilos? Será que aquele que não poupou a seu próprio filho, pouparia alguma coisa para nos abençoar? Certamente que não. Rm.8:32.

Talvez você que nos visita hoje esteja passando por um conflito semelhante ao do salmista Asafe.
Talvez você esteja passando por lutas, aflições, dúvidas. O que fazer? Pare na presença de Deus e o busque. Lembre-se que o poder Dele é aperfeiçoado em nossa fraqueza. Na presença de Deus sempre encontraremos refúgio, respostas, consolo.

É irmãos, é assim, todas as vezes que superamos momentos difíceis em nossas vidas, nossa confiança em Deus amadurece, a nossa fé amadurece.
E este é justamente um dos motivos que faz Deus permitir que passemos por provações: o amadurecimento da nossa fé.
Em meio a tantas lutas, em meio a essa grande tempestade, tenha uma certeza; quando tudo passar você estará mais firme e mais confiante em Deus, talvez podendo dizer como o salmista:

"Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam, Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre".
"Quanto a mim, bom é estar junto a Deus. No Senhor ponho o meu refúgio, para proclamar todos os seus feitos". Sl. 73: 26 e 28.

No amor de Cristo.
Marcos Paulo Correia. (Líder e Guitarrista do GD)

quarta-feira, 31 de março de 2010

Alegrai-vos nas tribulações!

Todos nós, durante a trajetória de nossas vidas, passamos por aflições, por dias difíceis, por tribulações e lutas. Mas apesar de sabermos disso, no momento que estamos lá, diante dos problemas, dos desafios da fé, diante das tempestades da vida, das provas, das tribulações, por tantas vezes não sabemos como agir. Nos desesperamos. Talves essa seja a sua situação neste momento. E o que posso lhe dizer, por mais difícil que seja, é que esse momento pode ser uma grande oportunidade para você crescer e amadurecer sua fé. O poder de Deus é aperfeiçoado justamente em nossa fraqueza. II Co.12:9
São esses momentos de fragilidade, esses momentos em que a situação foge do nosso controle, esses momentos em que tudo que podemos fazer é confiar em Deus; Que ele aproveita para tratar nosso carater, nossa arrogância, nosso orgulho, a pequenez da nossa fé. Deus prova à nossa fé para que sejamos cristãos melhores. Tenha certeza: Deus tenhe um propósito em tudo isso que você está passando. E certamente o amadurecimento da sua fé é um deles. Ele quer fazer de você alguém muito mais parecido com Ele. Atente bem para essas declarações: "Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte." II Co.12:10 "Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações" Tg. 1:2
Por mais difícil que sejam esses momentos a bíblia nos ensina que devemos nos alegrar com eles, ter prazer neles, Porquê? Porque essas provações produzirá em nós uma fé mais firme, mais constante. Afinal a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. Rm 5:3 e 4 Todos nós precisamos dessas coisas. Porém só existe uma forma de obtelas, passando por provações.
Tão certo como é verdade que passaremos por dias difíceis, por tempestades, também o é que esses dias passam, que a tempestade vai embora. E quando eles passam o que fica? Aperfeiçoamento no poder de Deus, perseverança, experiência, esperança. Temos duas escolhas a fazer nesses momentos: Ou passamos a murmurar e perdemos uma chance preciosa de crescer em Deus, ou nos mantemos firme na confiança nesse Deus de amor e cuidado para obtemos os benefícios que esses momentos podem produzir em nós.
Certamente daqui à alguns dias esse momento difícil ficará para trás, essa tempestade se transformará em uma grande bonança. E você estará mais firme e mais próximo de Deus. Nos agarremos nessa esperança.
No amor do Deus das consolações,
Marcos Paulo Correia. (Líder e guitarrista do GD)

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Regeneração - C.H. Spurgeon - Sermão 130


Se alguém não nascer de novo,não pode ver o reino de Deus (Jo 3.3).


No dia-a-dia nossos pensamentos estão sempre ocupados com coisas que são necessárias à nossa existência. Nin­guém reclama quando o preço do pão é discutido com freqüên­cia em tempos de escassez, porque todos sabem que o assunto é de máxima importância para a população. Por isso ninguém reclama da menção constante do tema nos discursos e em artigos de jornal. Posso trazer a mesma desculpa, portanto, por trazer a vocês esta manhã o tema da regeneração. Ele é de importância vital e absoluta, o ponto central do evangelho, o item sobre o qual a maioria dos cristãos concorda, todos os que são cristãos em verdade e sinceridade. Esse assunto é a pró­pria base da salvação, o alicerce das nossas esperanças pelo céu. Assim como numa construção tomamos todos os cuidados necessários com a fundação, devemos nos certificar com cui­dado se realmente nascemos de novo, tomando as providênci­as para toda a eternidade. Há muitos que acham que são nascidos de novo e não são. E bom, portanto, que nos analise­mos com freqüência, e é obrigação do pastor levantar as ques­tões que levam ao auto-exame e tendem a sondar o coração e testar os controles dos filhos dos homens.
A princípio farei algumas observações sobre o novo nascimento; em segundo lugar, direi o que significa que alguém não pode ver o reino de Deus se não nasceu de novo; depois disso veremos por que "se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus"; por último exortarei as pessoas, como embaixador de Deus.
I. Primeiro, então, a questão da regeneração. No es­forço de explicá-la, devo destacar antes de tudo a ilustração que é usada. Nos é dito que as pessoas têm de nascer de novo. Não posso ilustrar isso melhor do que imaginando um caso. Imagine que na Inglaterra fosse aprovada uma nova lei do acesso à corte real: o atendimento nas repartições públicas e qualquer privilégio na nação só seria dado a quem tivesse nascido na Inglaterra — que o nascimento neste país se tornasse condição sine qua non, e que fosse declarado definitivamente que, não importa o que as pessoas fossem ou fizessem, se não tivessem nascido como súditos ingleses, não poderiam entrar na presen­ça de Sua Majestade, usufruir dos serviços do Estado nem qual­quer privilégio dos cidadãos. Acho que, se vocês puderem ima­ginar um caso como este, poderei ilustrar a diferença entre as mudanças e reformas que as pessoas fazem em si mesmas e a verdadeira obra de ser nascido de novo. Imaginemos, então, que um estrangeiro — um índio, por exemplo — viesse a esse país e se esforçasse por obter os privilégios de um cidadão, bem sabendo que a regra é absoluta e não pode ser alterada, que os privilégios são só para os súditos nascidos aqui. Imagi­nemos que ele diga: "Vou mudar meu nome; adotarei o nome de um inglês. Entre os sioux tenho uma posição muito impor­tante, um nome como Filho do Grande Vento do Oeste ou algo assim, mas adotarei um nome inglês, cristão, súdito do rei." Vocês acham que ele será aceito? Você o vê se aproximando dos portões do palácio e solicitar admissão. Ele diz:
—Adotei um nome inglês.
—Mas você é um inglês que nasceu e cresceu aqui?
—Não, não sou.
—Então as portas precisam ficar fechadas para você, porque a lei é absoluta. Mesmo que você tivesse o nome da família real, se não nasceu aqui, você fica fora.
Essa ilustração se aplica a todos nós que estamos aqui
presentes. Quase todos nós usamos o nome de cristãos professos; vivendo na Inglaterra, você consideraria uma desgraça se não fosse chamado de cristão. Você não é pagão, não é infiel, não é nem muçulmano nem judeu. Você acha que o nome cristão lhe é devido, e você o assumiu. Pois você pode ter certeza de que ser chamado de cristão não equivale a ter natureza de cristão, e que o fato de ter nascido num país cristão, e ser conhecido como alguém que professa a religião cristã, não é garantia nenhuma se não lhe for acrescentado mais alguma coisa — ser nascido de novo como súdito de Jesus Cristo.
— Mas — diz o índio, — estou disposto a renunciar às minhas roupas típicas para vestir-me como um inglês. Vou me adaptar em tudo; você não verá nenhuma diferença em relação à maneira usual neste país. Quando eu tiver me vestido como manda a etiqueta, poderei vir à presença do rei? Veja, não vou brandir a machadinha, vou tirar estas penas e roupas de couro, vou jogar fora meus mocassins para sempre. Sou inglês de nome e na maneira de ser.
Ele se aproxima do portão vestido como um inglês, mas este continua fechado, porque a lei exige que ele tenha nascido neste país; sem isto, não importa como ele se veste, ele não pode entrar no palácio. Assim também, quantos de vocês, além de assumir o nome de cristão, também adotaram um comportamento cristão? Vocês vão às suas igrejas e cape­las, freqüentam a casa de Deus, cuidam que sua família siga alguma forma de religião; seus filhos não ficam sem ouvir o nome de Jesus! Até aí tudo bem. Deus não permita que eu diga alguma palavra contra isso. Mas lembrem: isso não vale nada se vocês não vão além. Tudo isso não serve de nada para granjear admissão no reino do céu se não for acompanhado de — ser nascido de novo. Sim! Vocês podem se vestir com a pompa da vida cristã, colocar o chapéu da benevolência, cingir-se de integridade, vestir os sapatos da perseverança e ca­minhar pela terra como pessoas honestas e direitas; mas lem­brem-se, se não forem nascidos de novo, "o que é da carne é carne", e você, que não tem o Espírito atuando em você, ainda tem as portas do céu fechadas porque não nasceu de novo.
— Está bem — diz o índio, — não só adotarei a ma­neira de vestir, mas aprenderei a língua. Deixarei minha lín­gua, o dialeto que eu falava nos campos e florestas da minha terra. Não usarei mais o xu-xu-gá e os outros nomes estranhos com que chamava os pássaros selvagens e os animais, e vou falar como vocês falam e agir como vocês agem. Vou vestir-me como vocês se vestem, adotar suas maneiras, falar do mesmo jeito, aprender seu sotaque e a gramática certa; então, pode­rei entrar? Fiquei completamente anglicizado; não posso ser recebido?
— Não — diz o guarda na porta, — só admitimos pes­soas nascidas neste país; você não pode entrar.
O mesmo acontecerá com alguns de vocês. Vocês falam como cristãos, talvez com um tom um pouco forçado. Vocês começaram a imitar tão bem que se consideram espirituais até um pouco mais que os outros, e vocês se esforçam tanto que exatamente por isso podemos perceber a falsificação. Mas para as pessoas em geral vocês parecem ser o tipo certo de cristão. Vocês estudaram biografias, e às vezes contam histórias sobre sua experiência com Deus. Vocês as copiaram das biografias de bons cristãos; vocês andaram com cristãos e sabem como eles falam. Talvez vocês até têm um jeito puritano; vocês andam pelo mundo como professores; quem os observasse, não perceberia a diferença. Vocês são membros da igreja, foram batizados, parti­cipam da Ceia do Senhor, talvez até sejam diáconos ou presbíteros, estendem o cálice para os outros. Vocês são tudo o que cristãos podem ser, só que não têm um coração cristão. Vocês são sepulcros caiados, cheios de podridão por dentro, mesmo que bem enfeitados por fora. Tomem cuidado! É impressionante como um pintor pode chegar perto da expressão da vida, e mesmo assim a tela está morta e sem movimento; é igualmente impres­sionante como alguém pode chegar perto de ser cristão e ser excluído do céu pela regra absoluta, por não ser nascido de novo. Com toda sua profissão de fé, com toda a pompa da sua alegada vida cristã e com todas as plumas esplêndidas da experiência, ele tem de ser afastado dos portões do céu.
"Você não tem compaixão, Sr. Spurgeon." Não me im­porto com o que você está dizendo. Não quero ter mais compai­xão do que Cristo. Não fui eu quem disse essas coisas: foi Cristo. Se você tem algum problema com ele, resolva-o aqui. Não sou eu quem fiz esta verdade, apenas sou seu porta-voz. Eu achei isto escrito: "Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus."
Observe agora a maneira de se obter a regeneração. Creio que aqui não há ninguém tão estúpido, que eu tenha atraído alguém tão sem cérebro, que ainda creia na doutrina da regenera­ção pelo batismo. Sim, tenho de mencionar isto rapidamente. Há pessoas que ensinam que algumas gotas de água aspergidas sobre a cabeça de um bebê o regeneram. Imaginemos que seja assim, e eu encontro estes regenerados vinte anos depois. O ganhador do prêmio da loteria é um homem regenerado. Sim, regenerado por­que foi batizado na infância. Você consegue ouvi-lo praguejando e blasfemando de Deus? Ele está regenerado, creia em mim; o pas­tor pôs alguns pingos de água na sua testa. Você está vendo o bêbado cambaleando pela rua, a peste da vizinhança, brigando com todo mundo e batendo em sua esposa, pior que um selvagem — ele é regenerado! Observe a multidão reunida na rua. A forca foi levantada, está para ser executado um homem cujo nome de­veria ser banido por toda a eternidade, de tão maligno. Ele é rege­nerado, sim, porque foi batizado na infância. Ele estava regenera­do enquanto misturava seu veneno e o administrava em pequenas doses, para causar dor infinita e uma morte lenta. E claro que ele é regenerado! Se isto é regeneração, não vale a pena sê-lo; se é isso que nos liberta para o reino do céu, então o evangelho é realmente licencioso; não há mais nada a dizer sobre ele. Se este é o evangelho, que todas estas pessoas são regeneradas e serão salvas, só podemos dizer que seria obrigação de qualquer pessoa no mundo rejeitar esse evangelho, porque é tão incoerente com os princípios mais comuns de moral que não pode ser de Deus; deve ser do diabo.
Em seguida podemos dizer que ninguém é regenerado por seu próprio esforço. Uma pessoa pode mudar bastante, e isto é muito bom; que todos o façam, Uma pessoa pode rejeitar todos os maus hábitos, esquecer os vícios em que andava e controlar suas ações más; ninguém no mundo, porém, pode fazer-se nascer de Deus. Por mais que ele se esforce, jamais conseguirá realizar o que transcende o seu poder. E preste atenção, se alguém conseguisse fazer nascer a si próprio de novo, ainda assim não entraria no céu, porque há outro detalhe da condição que ele teria quebrado: "Quem não nascer do Espírito não pode entrar no reino de Deus." O maior esforço da carne não atingirá este patamar, de nascer do Espírito de Deus.
Agora podemos dizer que a regeneração consiste em que este Deus, o Espírito Santo, de maneira sobrenatural — veja, com a palavra "sobrenatural" quero dizer simplesmente o que o termo significa, mais que natural — age sobre os corações das pessoas, que, pela atuação do Espírito divino, ficam regeneradas. Sem o Espírito isso é impossível de acontecer. Se esse Deus, o Espírito Santo, que "efetua em nós tanto o querer como o realizar", não agir sobre a vontade e a consciência, a regeneração é absoluta­mente impossível, de modo que não há salvação. "0 quê?", diz alguém, "você está querendo dizer que Deus intervém absoluta­mente na salvação de cada pessoa, para regenerá-la?" Exatamen­te. Na salvação de cada pessoa há uma manifestação real do po­der de Deus, pela qual o pecador morto é avivado, o pecador renitente se torna dócil, o pecador desesperadamente endurecido fica com a consciência sensível, e aquele que rejeitou Deus e des­prezou a Cristo é levado a lançar-se aos pés de Jesus. Há quem queira chamar isso de doutrina fanática, mas nada posso fazer a esse respeito; para nós basta que a doutrina é bíblica. "Quem não nascer do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito."
II – Agora devemos nos voltar para o segundo ponto. Confio haver explicado o que é a Regeneração, de tal forma que todos possam saber exatamente o que ela é. Agora, O QUE SIGNIFICA A EXPRESSÃO: VER O REINO DE DEUS?” – Quero dizer duas coisas. Ver o reino de Deus na terra é ser um membro da igreja mística e invisível, é gozar os privilégios e da liberdade dos filhos de Deus.Ver o reino dos céus significa ter pode em oração, ter comunhão com Cristo, ter comunhão com o Espírito Santo, e produzir e gerar todos esses abençoados frutos que são um efeito da regeneração.
Em um sentido mais sublime, “ver o Reino de Deus”, significa ser admitido no céu. O que não nascer de novo, não pode saber nada acerca das coisas celestiais aqui na terra, e não pode gozar da benções celestiais na terra; “não pode ver o reino de Deus”.
III. Creio que devo passar pelo segundo ponto sem comentá-lo e ir para o terceiro: por que, "se alguém não nas­cer de novo, não pode ver o reino de Deus'? Limitarei mi­nhas observações ao reino de Deus no mundo futuro.
Bem, ele não pode ver o reino de Deus porque no céu ele estaria deslocado. Alguém que não nasceu de novo não se sentirá bem no céu. Existe um empecilho em sua natureza que o impede de ter prazer em qualquer uma das bênçãos do para­íso. Talvez você pense que o céu consiste naqueles muros de jóias, nos portões de pérolas, nas ruas de ouro. Não é assim; o céu é lá, mas este não é o céu. O céu é um estado interior, no coração, criado pelo Espírito de Deus dentro de nós. A não ser que Deus o Espírito nos renovou e fez nascer de novo, não podemos nos alegrar nas coisas do céu. E uma impossibilidade física que um porco dê uma aula de astronomia. Qualquer pessoa percebe claramente que é impossível que uma lesma construa uma cidade. Da mesma forma é impossível que um pecador não transformado possa ter prazer no céu. Não haverá nada lá que o atraia; se ele pudesse ser levado para o lugar onde está o céu, ele se sentiria muito mal. Ele iria gritar: "Deixem-me sair, deixem-me ir embora! Quero sair desse lugar miserável!" Quero apelar a vocês, par quem muitas vezes um sermão é longo demais, cantar louvores a Deus é um esforço maçante e árido, ir à casa de Deus é tédio. O que vocês vão fazer onde se louva a Deus sem parar? Se o breve discurso aqui já cansa, o que dizer da conversa eterna dos redimidos sobre as maravilhas do amor redentor? Se a companhia dos justos aborrece, como a suportar por toda a eter­nidade? Eu acho que muitos de vocês estão dispostos a confessar que cantar salmos não é muito do seu gosto, que você não se importa muito com as coisas espirituais; sentar-se com uma garra­fa de vinho e divertir-se, isto é céu para você! Bem, um céu assim ainda não foi feito, e por isso não há céu para você. O único céu que existe é o céu das pessoas espirituais, o céu do louvor, o céu do prazer em Deus, o céu dos que foram aceitos entre os amados, o céu da comunhão com Cristo. Disso você não entende nada; você não se alegraria nele se o tivesse; você não tem capacida­de para tanto.
Todavia, há ainda outras razões:
Imoralidade, pecado, vergonha
Fecham os portões sagrados para sempre.
Há outras razões, além daquelas dentro de você, por que você não pode ver o reino de Deus se não nascer de novo. Pergunte aos espíritos que estão diante do trono:
—Anjos, principados e potestades, vocês concordari­am que pessoas que não amam a Deus, que não crêem em Cristo, que não nasceram de novo, morem aqui? — Eu os vejo olhando aqui para baixo e respondendo:
—Não! Nós já lutamos contra o dragão e o expulsa­mos daqui porque nos tentou para o pecado; não precisamos e não queremos ter os maus aqui. Estes muros de alabastro não devem ser maculados por dedos sujos e lascivos; o pavimento limpo do céu não deve ser manchado e sujados pelos pés pro­fanos de pessoas que não pertencem a Deus. Não!
Vejo milhares de lanças levantadas, e os rostos temíveis de uma miríade de serafins vigiando por cima dos muros do para­íso:
— Não, enquanto estes braços tiverem força e estas asas poder, nenhum pecado entrará aqui.
Dirijo-me ainda aos santos no céu, já redimidos pela gra­ça soberana:
— Filhos de Deus, vocês concordam que os maus entrem no céu assim como estão, sem nascerem de novo? Vocês que amam a todos, digam, vocês acham que eles devem ser admitidos em seu estado atual?
Vejo Ló levantar-se e exclamar:
— Admiti-los no céu?! Nunca! Terei de suportar nova mente as conversas dos sodomitas?
Vejo Abraão vir à frente e dizer:
— Não; não posso tê-los aqui. Já tive o suficiente deles enquanto estive na terra; seus gracejos e zombarias, suas palavras tolas, suas conversas fúteis nos incomodaram e entristeceram. Não os queremos aqui.
Apesar de serem celestiais e terem espírito amoroso, não há nenhum santo no céu que não se ressinta com indignação su­prema que alguém de vocês se aproxime das portas do paraíso, se não estiverem santos e não nasceram de novo.
Isso, porém, não é tudo. Talvez conseguíssemos escalar as defesas do céu, se fossem protegidas somente pelos anjos, e arrombar as portas do paraíso se só os santos as guarnecessem. Mas há outra razão que nos impede de entrar — foi o próprio Deus quem disse: "Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus." Qual pecador quererá conquistar as trincheiras do paraíso se Deus está pronto para jogá-lo no inferno? Você tentará enfrentá-lo descaradamente? Foi Deus quem disse, com voz de trovão: "Não vereis o reino de Deus." Será que podemos lutar com o Altíssimo? Podemos derrotar o Onipotente? Podemos medir forças com o Todo-Poderoso? Verme do pó! Você quer ven­cer seu Criador? Inseto que só vive uma hora, trêmulo com os relâmpagos que riscam o céu longe lá em cima, você quer testar a mão de Deus? Você quer aventurar-se a desafiar a sua face? Ora, ele riria de você. Assim como a neve derrete com o sol, como a cera escorre ante a ferocidade do fogo, você se desfaria quando a sua fúria o alcançasse. Não pense que você pode enfrentá-lo. Ele fechou a porta do paraíso para você, e não há como entrar. O Deus da justiça diz: "Não irei recompensar os maus junto com os justos; não permitirei que meu bom paraíso seja profanado por pessoas más e rebeldes. Se se converterem, terei misericórdia deles; mas se não se converterem, tão certo como eu vivo, vou fazê-los em pedaços, e não restará ninguém."
Agora, pecador, podes sustentar seus argumentos contra Deus? Podes lançar seus dardos contra o escudo do Senhor? Acaso tentarás escalar e subir ao céu, quando a flecha está esticada sobre o arco direcionado ao teu coração e quando a espada reluzente está prestes a matá-lo? Se esforçará para se opor ao seu Criador? Podes lutar contra teus semelhantes, guerrear contra teus irmão; mas espero que não tentes lutar contra o Deus Onipotente. Ele diz que você não entrará em Seu reino, exceto se nasceres de novo.
Além disso te digo, não discutas comigo, eu só entrego a mensagem do Senhor. Vá, não creia nisso se ousares, mas se és alguém que crÊ nEle, não se volte contra minhas palavras, pois se trata da mensagem de Deus, que eu proclamo a ti com amor, para que não te percas nas trevas se estás longe do Senhor, não caminhes com teus olhos vendados a tua própria perdição eterna.
IV. Agora, meus amigos, uma pequena exortação, e depois adeus. Ouço alguém dizer: "Está bem, estou entenden­do. Espero nascer de novo depois da morte. Meu senhor, creia em mim, você será um tolo miserável em meio às suas dores. Quando alguém morre seu estado final já está definido:
Depois que a gente falecer
É tarde para arrepender.
Nossa vida é como a cera que foi derretida para servir de lacre: a morte põe nela o seu carimbo, depois ela esfria, e a marca não pode mais ser mudada. Hoje vocês são como o metal incandescente que escorre da fornalha para o molde: a morte esfria vocês no molde, e vocês conservam esta forma por toda a eternidade. A voz da condenação ressoa sobre o morto: "Que o santo continue santo, que o ímpio continue ímpio, que o imundo continue imundo." Os condenados estão perdidos para sempre. Não podem mais nascer de novo. Con­tinuam malditos e maldizendo, eternamente lutando contra Deus e sendo pisados sob seus pés. Estarão para sempre zombando e sendo ridicularizados por sua zombaria. Estarão sempre se rebelando e sendo torturados com os açoites da consciência porque não param de pecar. Não podem ser regenerados por­que estão mortos.
"Bem", diz outro, “tomarei cuidado de ser regenera­do antes de morrer." Moço, repito que você é um tolo falando assim; como você sabe se vai continuar vivendo? Você fez um contrato de aluguel por sua vida como o fez com sua casa? Você pode garantir o sopro em suas narinas? Você pode dizer com certeza que seus olhos verão a luz amanhã? Você pode saber se seu coração já não está tocando a marcha fúnebre em direção ao túmulo, e você morrerá onde está parado ou senta­do agora? O homem! Se seus ossos fossem de ferro, seus tendões de bronze e seus pulmões de aço, então você poderia dizer: "Vive­rei." Mas você é feito de pó; você é como a flor no campo; você pode morrer a qualquer momento. Olhe! Estou vendo a morte parada ali, afiando a foice com sua pedra. Ela vai brandir a foice para alguns de vocês hoje — ela ceifa os campos, e vocês caem um a um. Vocês não devem e não podem viver. Deus nos leva como uma enchente, como um navio num redemoinho, como um galho na correnteza arremessando-se para a cachoeira. Não há como parar nenhum de nós. Todos estamos morrendo! E você ainda diz que quer ser regenerado antes de morrer! Meus senho­res, vocês estão regenerados agora? Porque se não, esperar para amanhã pode ser muito tarde. Amanhã vocês podem estar no inferno, com o destino gravado em diamante para sempre.
"Veja", exclama outro, "não me importo muito com isso; não faço caso de ser excluído do paraíso." Meu senhor, você fala do que não entende. Você sorri agora, mas chegará o dia em que sua consciência será mais sensível, sua memória estará viva, seu julgamento será às claras e você pensará muito diferente do que agora. Os pecadores no inferno não são tolos como na terra; no inferno não riem do fogo eterno; no abismo não desprezam as palavras "fogo eterno". O verme que nunca morre devora todas as piadas e risadas. Você pode estar desprezando a Deus e a mim pelo que estou dizendo agora, mas a morte mudará sem tom de voz. Queridos ouvintes, se fosse só isso, eu o suportaria. Vocês podem desprezar a mim; mas eu imploro, não desprezem vocês mesmos! Não sejam idiotas para irem assobiando para o inferno, rindo para o abismo; quando chegarem lá, vocês verão que é bem diferente do que sonham agora. Quando virem as portas do para­íso fechadas para vocês, vocês descobrirão que isto é mais impor­tante do que julgam agora. Vocês vieram hoje ouvir-me pregar, como vão à ópera ou ao teatro; acharam que eu deveria entretê-los. Longe de mim essa intenção. Deus é minha testemunha que vim solene e seriamente para lavar minhas mãos do sangue de vocês. Se algum de vocês for condenado, não será por falta de aviso.
Senhoras e senhores, se vocês perecerem, minhas mãos estão lavadas na inocência; pois tenho lhes falado sobre a condenação que está sobre vocês. Clamo de novo: Arrependa-se, arrependa-se, arrependa-se, pois “se não te arrependeres, igualmente perecereis” Vim aqui decidido esta manhã a usar palavras duras para os homens, porque as coisas que dizemos e para o teu bem. Nós advertimos para que vocês não pereçam.
Mas, ah! Alguém entre vocês diz: Eu não entendo este mistério, te rogo que me expliques. “Néscio, néscio tu és; vês aquele fogo? Nos levantamos assustados de nossas camas, há luz em nossas janelas, descemos correndo as escadas, as pessoas correm de um lado para o outro, multidões estão na rua correndo das casas em chamas. Os bombeiros estão fazendo o seu serviço, um rio de água está sendo derramado sobre a casa; mas espere, olhe! Olhe! Há um homem no segundo andar da casa, tem pouco tempo e é difícil escapar. Ouve-se um grito: Fogo! Fogo! Fogo! O homem se aproxima da janela, uma escada é colocada. Uma mão forte se introduz pela janela – O que está fazendo este homem todo o tempo? O quê! Está deitado na cama? Por acaso é alguém aleijado? Um espírito mau o está prendendo? Não, não, não! Ele sente que o chão está aquecendo sob seus pés, a fumaça começa a sufocá-lo, as chamas ardem ao seu redor, e ele sabe que só há escape por aquela escada. Mas o que ele está fazendo? Está sentado – não acredito, está sentado dizendo: “A origem deste incêndio é muito muito misteriosa; e me pergunta como há de ser descoberta. Como vamos entender isso? Bem, você ri dele, mas estão findo de si mesmos. Vocês estão buscando obter respostas de uma questão ou outra enquanto sua alma corre perigo do fogo do eterno.
Ah! Quando forem salvos, vocês terão tempo para fazer todas as perguntas; mas estando na casa em chamas, e correndo perigo de destruição, não tem tempo de estar confuso sobre o livre-arbítrio, decretos eternos e a predestinação absoluta.
Todas estas questões são importantes a serem feitas depois que estamos salvos. Que o homem esteja em terra firme para depois estudar a causa da tempestade. Sua única tarefa agora é perguntar: “Que devo fazer para ser salvo? Como posso escapar da terrível condenação que me espera?
Meus amigos, eu não posso falar como gostaria. Esta manhã acho que me sinto como Dante quando escreveu seu Inferno. As pessoas diziam que ele estivera no inferno; pelo me­nos ele tinha a aparência de quem esteve. Ele pensou tanto nisso e falou com seriedade e terror tal que disseram: "Ele esteve no inferno." Oh, se eu pudesse, também falaria como ele. São só mais alguns dias, e eu os verei face a face. Posso olhar além do espaço de alguns anos até você e eu estarmos perante o tribunal de Deus: "Vigia, vigia", diz uma voz, "você os advertiu? Você os advertiu?" Algum de vocês dirá que não? Não, mesmo os mais despreocupados dirão naquele dia: "Nós rimos, nós zombamos, nós não nos importamos; ó Senhor, somos obrigados a falar a verdade: o homem falava sério, falou-nos de nossa condenação, ele está limpo." É isto que vocês dirão? Eu sei que sim.
Quero acrescentar este comentário: Ser achado fora do céu é algo terrível. Alguns de vocês tem seus pais lá; tem amigos mui queridos ali; eles tomaram suas mãos quando estavam morrendo e disseram: “Adeus, até nos encontrarmos em breve” – Mas se você não enxergar o Reino de Deus, não poderão vê-los nunca mais. “Minha mãe”, disse alguém – “dorme em um cemitério; eu vou a sua tumba colocar algumas flores, em recordação do amor que ela me deu;... mas eu não vou vê-la nunca mais? Não, nunca mais, NUNCA, a menos que nasça de novo.
As mães que tem bebês que partiram para o céu desejam ver toda sua família ao redor do trono; mas nunca mais verão seus filhos, a não ser que nasçam de novo. Quer dizer adeus neste dia imortal? Dirás isso a seus amigos glorificados no Paraíso? Eles lhe diriam que deves se converter.
Deve vir a Cristo imediatamente, e confiar em Deus e seu Espírito para te regenerar, pois do contrário, hás de olhar para o céu e dizer:
“Coro dos bem-aventurados! Haverei de vê-los cantando para sempre; os meus amados pais, guardiões da minha infância, eu os amo, mas entre nós está posto um grande abismo; eu estou fora e vocês estão salvos”.
Oh! Eu lhes imploro que pensem sobre estas questões; e quando saírem, não devem esquecer delas. Se alguns de vocês foram tocados esta manhã, não descarte esta comoção, pode ser o seu último aviso; seria algo terrível estar perdidos com os ecos do evangelho em seus ouvidos, e perecer mesmo estando sob o ministério da verdade.


- O Púlpito da Capela New Park Street –
Regeneração - Sermão pregado na manhã de domingo, 3 de Maio de 1857 por Charles H. Spurgeon
No Music Hall, Royal Surrey Gardens.
Fonte – Spurgeon.org
Equipe – Charleshaddonspurgeon.com

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Dez acusações contra a igreja moderna.

Por Paul Washer
Quarta acusação: Uma ignorância do evangelho de Jesus Cristo.
Eu quero submeter a você esta noite que este país não é endurecido ao evangelho. É ignorante do evangelho, porque a maioria dos seus pastores o é. E deixe-me repetir isto. O problema deste país não são os políticos liberais, a raiz de socialismo, Hollywood ou qualquer outra coisa. É o, assim chamado, pastor evangélico de nossos dias e o pregador de nossos dias e o evangelista de nossos dias. É aí que o problema deve ser encontrado. Nós não conhecemos o evangelho. Nós pegamos o glorioso evangelho de nosso Bendito Deus e o reduzimos a “quatro leis espirituais” e “cinco coisas que Deus quer que você saiba”, com uma pequena e supersticiosa oração no final que se alguém repetir depois de nós com bastante sinceridade nós o declaramos, de uma forma papal, nascida de novo. . . Nós trocamos regeneração por “decisionismo”.. . Em primeiro lugar, eu estou pasmo com quantos crentes devotos, andando na fé há 30 ou 40 anos, virão a mim, depois de eu falar sobre o que eu vou falar por alguns poucos minutos, com lágrimas dizendo: “Irmão Paul, eu nunca ouvi isto antes em minha vida”. E, entretanto, esta é a doutrina histórica de redenção, de propiciação. . . Veja! Quando você falar sobre o evangelho, meu querido amigo, o faça claramente. O evangelho começa com a natureza de Deus e vai para a natureza do homem e a queda deste. Essas duas grandes colunas do evangelho vêm montar para nós o que deveria ser chamada e conhecida por cada crente como “o grande dilema”. E o que é este dilema? Se Deus é justo ele não pode te perdoar. . . O maior problema em todas as Escrituras é este. Como Deus pode ser justo e ao mesmo tempo o justificador de homens maus, quando as Escrituras por toda a Bíblia declaram — especialmente em um texto que eu tirei de Provérbios — “O que justifica o ímpio, e o que condena o justo, tanto um como o outro são abomináveis ao SENHOR.” (Pv 17: 15). E ainda assim, todas nossas canções cristãs ostentam sobre como Deus justifica o perverso. . . Este é o maior problema. Esta é a acrópole da fé cristã. Assim disse Martyn Lloyd-Jones e Charles Spurgeon e qualquer outro que leu Romanos 3. Você tem que mostrar isto às pessoas. O grande problema é que Deus é verdadeiramente justo e todos os homens são verdadeiramente maus. Deus para ser justo deve condenar o homem mau. Entretanto Deus, para a própria glória dele, pelo grande amor com que ele nos amou, enviou seu Filho, o qual caminhou nesta terra como um homem perfeito. E, então, de acordo com o plano, o plano eterno de Deus, ele foi àquele madeiro. E naquele madeiro, ele tomou nosso pecado. E, assumindo a posição legal de seu povo e carregando a nossa culpa, ele se tornou uma maldição.
“Maldito todo aquele que não persiste em praticartodas as coisas escritas no livro da Lei” (Gálatas 3:10) . . Cristo nos resgatou da maldição se tornando uma maldição em nosso lugar.. . Tantas pessoas têm esta visão romântica, impotente do evangelho onde o Cristo está lá, pendurado no madeiro, sofrendo debaixo das feridas do Império Romano, e o Pai não teve a força moral para agüentar o sofrimento de Filho dele, e, por isso, virou Sua face.. . NÃO!! . . Ele se virou porque o Filho dele se tornou pecado. . . E tantos, quando Ele está naquele jardim e grita “passa de mim este cálice”, especulam: “Bem, o que esteve no cálice? Oh, é a cruz romana. É o chicote. São os cravos. É tudo isso e tudo aquilo.”Eu não quero desconsiderar os sofrimentos físicos de Cristo naquele madeiro, mas o cálice era o cálice da ira de Deus Pai que teve que ser despejada sobre o Filho. Alguém teve que morrer, suportando a culpa do povo de Deus, desamparado por Deus pela justiça dele e esmagado debaixo da ira de Deus, pois “ao SENHOR agradou moê-lo”. (Isaías 53: 10). . Eu estava na Alemanha um tempo atrás ou em um seminário alemão na Europa há um tempo e vi este livro “A Cruz de Cristo” – não era o livro de John Stott, era outro. Eu o peguei e comecei a ler e isto é o que ele dizia: “O Pai olhou do céu para o sofrimento infligido sobre Seu Filho pelas mãos de homens e considerou isto como pagamento pelos nossos pecados.”. . Isso é heresia. . . Agora, aquele sofrimento físico, aquela crucificação era tudo parte da ira de Deus. Teve que ser um sacrifício de sangue. Eu não desprezarei nada disso. Mas, meu amigo, se você parar aí, você não tem um evangelho. . . E deixe-me lhe perguntar: Quando o evangelho é pregado e compartilhado em evangelismo pessoal atualmente, você sequer ouve as coisas que eu há pouco disse? Quase nunca. Nunca é deixado claro que Cristo pôde redimir porque Ele foi moído debaixo da justiça de Deus e tendo satisfeito a justiça divina com a Sua morte, Deus é, agora, justo e o justificador de ímpios. . . Redução de evangelho. . . E nós ainda nos perguntamos por que não há nenhum poder nele. Nós nos perguntamos por quê. O que aconteceu? Eu irei te falar. Quando você deixa de lado o evangelho e não há mais nenhum poder em sua suposta mensagem do evangelho, você, então, tem que recorrer a todos aqueles pequenos truques de mercado, que são tão proeminentemente usados hoje em dia para converter os homens. E nós todos conhecemos a maioria deles. Todos eles não funcionam.. . Meu querido amigo, deixe-me dizer isto. Vários anos atrás, quando eu estava me formando do seminário eu tive que tomar uma decisão se eu ia ir fazer meu Ph.D. Deus, a fim de salvar minha vida espiritual, me enviou para o meio das selvas no Peru, o mais longe possível do mundo acadêmico que eu poderia ficar. E lá eu comecei a perceber algo.. . Como disse Spurgeon, “Maiores homens, com mentes maiores que a minha, se aproximaram desta doutrina da Segunda Vinda, mas em vão. É uma grande e poderosa doutrina.” Ele disse, “eu me fixarei nisto: buscar compreender algo sobre Jesus Cristo e ele crucificado.”. . Deixe-me lhe falar isto. Eu fico tão bravo quando as pessoas tratam o glorioso evangelho de Cristo como se fosse um primeiro passo para entrar no Cristianismo, que só leva aproximadamente 10 minutos de aconselhamento e então você parte para coisas maiores. Isso lhe mostra como nós somos patéticos em nosso entendimento das coisas de Deus. . . Meu amigo, no dia da Segunda Vinda você entenderá absolutamente tudo sobre a Segunda Vinda, mas você estará em eternidade de eternidades no céu e você vai nem mesmo começar a compreender a glória de Deus no Calvário. É tudo sobre isto. . . Moço, jovem pregador, me escute. Persiga-O naquele madeiro. O que significa. Você não precisará construir fogos estranhos em seu forno, se você só pegar um relance do que ele fez naquele madeiro, o que ele fez naquele madeiro.. . Eu amo dizer isto. Eu já o disse um milhão de vezes. Abraão leva Isaque para cima daquela montanha. O filho dele, o único filho dele quem ele amou. Você supõe que o Espírito Santo estava tentando para nos falar sobre algo futuro? E aquele filho não resistiu, mas se entregou. E quando aquele pai rendeu sua vontade a vontade de Deus, ele levantou aquele cutelo para perfurar o próprio coração de seu filho. Mas a mão dele foi detida e foi falado ao velho homem que Deus tinha provido um carneiro.. . Tantos cristãos pensam: “Oh, que final bonito para aquela história.” Não é o fim. É o intervalo. Milhares de anos depois, Deus o Pai pôs Sua mão sobre Seu Filho, o único Filho dele quem ele amou, e tirou o cutelo da mão de Abraham e sacrificou Seu Filho Unigênito sob a plena força de Sua ira.. . Agora você sabe por que aquele pequeno evangelho que você prega não tem nenhum poder? Porque não é nenhum evangelho. Vá ao evangelho. Gaste sua vida em seus joelhos. Se afaste dos homens. Estude a cruz.







Tradução: Vinicius M. Pimentel (autor do blog Voltemos ao Evangelho)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Uma Exposição de Hebreus 6:4-6

"Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram parti-cipantes do Espírito Santo. (5) E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro, (6) E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério." (Hebreus 6:4-6 ACF[1])


Introdução A passagem que agora está ocupando nossa atenção é uma das mais graves na epístola aos Hebreus, até mesmo, quando comparada a qualquer outra no Novo Testamento. Provavelmente, poucas almas regeneradas a têm lido, refletidamente, sem serem tocadas de temor e tremor. Professantes[2] descuidados têm sido levados freqüentemente à inquietação em suas consciências assim que ouvem sua atemorizante linguagem. A passagem fala de uma classe de pessoas que foram altamente privilegiadas, que foram singularmente favorecidas, mas que, ao invés de terem aperfeiçoado suas oportunidades, desgraçadamente perverteram-nas; aqueles que trouxeram vergonha e reprovação à causa de Cristo; e que estão em uma condição tão sem esperanças que é "impossível que sejam outra vez renovados para arrependimento". Bom será se, cada um de nós, levarmos sinceramente nosso coração a Deus... Ler mais

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

A Igreja era Impugnada em Todos os Lugares.

Confira no Para Refletir:

A Igreja era Impugnada em Todos os Lugares.

Por Jonh Piper

O evangelho pode se propagar, milhares podem ser convertidos, igrejas podem crescer e o amor pode ser abundante onde o cristianismo é continuamente impugnado? Sim. Isto não somente é possível, mas tem acontecido. Não digo isto para desestimular o encanto, e sim para estimular a esperança. Não suponha que as épocas de hostilidade ou controvérsia serão tempos de declínio, com pouco poder e crescimento. Podem ser épocas de crescimento explosivo e... Ler mais

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Estratégias para Lutar Contra a Lascívia.

Confira no Para Refletir:
Estratégias para Lutar Contra a Lascívia.
por John Piper

Estou pensando em homens e mulheres. Para os homens, isto é óbvio. A necessidade de lutar contra o bombardeamento de tentações visuais para nos fixarmos em imagens sexuais é urgente. Para as mulheres, isto é menos óbvio, porém tal necessidade se torna maior, se ampliamos o escopo da tentação de alimentar imagens ou fantasias de relacionamentos. Quando uso a palavra “lascívia”, estou me referindo principalmente... Ler mais

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O evangelho do reino de Deus.

"Daí por diante, passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus." Mt. 4:17
Esse era o evangelho que Jesus pregava: O evangelho do arrependimento. E o que é arrependimento? No grego, METANÓIA. que significa: Mudança de mente, de pensamento. Ou seja, ter novas motivações, novos anseios...

Afinal é, exatamente, no momento que nos arrependemos e cremos no evangelho que nascemos de novo. (Mc. 1:15)
Portanto devemos refletir essa nova vida, vivendo uma vida santa, separada do pecado. Devemos viver em novidade de vida.
Mas apesar de termos totais condições de viver essa vida, refletí-la na prática não é tão simples assim. A um preço a pagar, uma renúncia a fazer. Há uma cruz para carregar todos os dias. É o próprio Jesus que nos ensina isso: "Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me." Lc 9:23
E não adianta fugir dessa verdade, ou querer mascarar o texto bíblico, dando a ele uma outra interpretação. Jesus está nos ensinando, sem arrodeios, que é necessário viver uma vida de renúncia. Renúncia do nosso "EU", das nossas motivações erradas e pevertidas completamentes distantes dos propósitos de Deus para nossas vidas, renúncia do pecado...
Como diz o irmão Marcos (Guitarrista do GD): " O evangelho é prática, e deve ser vivido dia após dia".
Esse é um tempo de renunciarmos o pecado por mais doloroso que seja para nossa carne. O conselho de Deus para todos é: Abandonem a vida de pecado, renunciem, deixem voluntariamente.

Foi essa mensagem que estive pregando no XI Congresso de adoradores Geração de Davi.
Que Deus abençoe a todos.


No amor de Cristo,
Fernando Cesar. (Ministro de louvor do GD )

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

O evangelho da salvação em Cristo

Irmãos, gostaria de deixar aqui um pouco do que foi ministrado na quarta-feira antes do nosso Congresso.


A Instituição chamada igreja se misturou com a verdadeira Igreja do Senhor Jesus e isso tem causado muita confusão no nosso meio.

1-Só é Igreja, quem nascer de novo.


Jo 3: 3, 6 e 7


3. Respondeu-lhe Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.7 Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo.


A palavra TREVAS tem o significado de Ignorância


A palavra LUZ tem o significado de Conhecimento


Existem dois Reinos Espirituais


1-Reino das Trevas


2-Reino da Luz


I Pedro 2:8 Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.


2-Como Se Apresenta a Igreja Atual


A mistura está tão grande que já não se vê tanta diferença (para não dizer nenhuma) entre a Igreja e o Mundo.


Os templos estão lotados de pessoas sem compromisso com Deus, mas apenas para receber “algo” da parte d’Ele ou para exibir o seu talento.


Gálatas 5:19-21


19 Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, 20 Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, 21 Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.




II Timóteo 4:3-4


3 Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; 4 E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.


Colossenses 2:8 Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.


Os “profetas” estão a todo o tempo dizendo palavras doces, com jargões e textos fora do contexto para agradar os ouvintes (expectadores) dos “cultos”.


Os falsos profetas sempre falam o que o povo quer ouvir.


Tito 2:1 Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina.


3-O Evangelho Passa Por Arrependimento


Uma igreja que não prega arrependimento genuíno e que não fala que sem Jesus as pessoas irão para o inferno está deixando a verdade de lado.


Atos 3:19 Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor,


Se você já levantou a mão, já chorou, mas teu caráter continua o mesmo; age do mesmo modo de antes, precisa rever seus conceitos.


“eu canto, toco, danço, prego, faço missões, não falto à EBD, etc..


Efésios 5:15 Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios,


4- Os Teus Sacrifícios Não Tiram Pecado


“Sete semanas para tocar o coração de Deus”; “doze semanas para alcançar as bênçãos”; “quarenta dias para desatar os laços”. Uma igreja que se sacrifica para obter algo em troca, mas não se esforça para andar em santidade.


Hebreus 10:11 E assim todo o sacerdote aparece cada dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar os pecados;


Que evangelho você tem vivido?


I João 3: 9 Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.



Hebreus 10:26-27


26 Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, 27 Mas uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários.


Cuidado


Você pode até achar que estou tentando aparentar uma vida de santidade que não tenho.


Ache o que quiser, contanto que você saiba o que a Bíblia diz a respeito deste tipo de vida que você tem levado, adaptando-se ao mundo, espelhando-se na prosperidade mundana e na vida sem compromisso com o Evangelho que você “prega”.


Mateus 7:21-23 21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? 23 E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.


Alguns conselhos: Pv 12:1 O que ama a instrução ama o conhecimento, mas o que odeia a repreensão é estúpido.


Pv 14: 12 Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.


Por que essa palavra de confronto?


4-Deus te ama


Deus tem alertado a Sua Igreja e cabe a você fazer uma auto-análise, pois o Seu amor é infinitamente maior que teus pecados. Portanto mãos à obra e deixe-se sentir o amor do Pai.


Hb 12:6,7,11-13 6 Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho. 7 Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? 11 E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela. 12 Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados, 13 E fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado.


Apocalipse cap 3: 22 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.


Um abraço e até a próxima,


Gercino Alves

Líder geral do Min. Geração de Davi

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

XI Congresso de adoradores Geração de Davi

Nos dias 14, 15, 16 e 17 de Janeiro estaremos realizando o congresso anual de adoradores Geração de Davi, com o tema: "Redescobrindo o Evangelho".
Acreditamos que esse é um tempo de confrontarmos o cristianismo, o evangelho que temos vivido, com o mais puro e simples evangelho bíblico, com o evangelho pregado por Jesus e seus díscipulos, o evangelho da cruz.

Convidamos a você para que juntamente conosco, nesses dias, nos voltemos para Deus e para sua Palavra, afim de perceber na vida e nos ensinamentos de Jesus e dos apóstolos a essência do Evangelho, que certamente, todos nós, de alguma maneira, temos nos afastado.
Que sejam dias na presençade Deus! Dias abençoadores! Dias de quebrantamento!

Quinta-Feira, dia 14, as 19:30
Sexta-Feira, dia 15, as 19:30
Sábado, dia 16, as 19:00
Domingo, dia 17, as 9:oo (No domingo teremos realização da santa ceia)
e as 18:30. (No domingo à noite Saulinho Farias estará pregando e ministrando louvor)
Maiores informações: (81) 3475-7628

No amor do Pai,
Ministério Geração de Davi

Mais de 10 mil visitas!!!


Queridos estamos alegres demais no Senhor por termos alcançado mais de 10 mil visitas em nosso blog.
Nos faltam palavras para agradecer sabe... Este blog foi criado com a intenção de gerar mais proximidade entre nós e vocês, e contra fatos não há argumentos; mais de 10 mil cliques por aqui passaram, aleluia!!!!

Nós queremos que todos vocês estejam sempre aqui conosco e não esqueçam de deixar recados para nós, é sempre muito importante, acreditem...
Queremos honrar e engrandecer o nome do Senhor Jesus, que nos tem chamado e providenciado tudo o que precisamos para cumprir este chamado. E uma das coisas que precisamos é de VOCÊ que a cada recado deixado, nos fortalece e abençoa.
Estejam bem a vontade entre nós e será sempre um prazer conhecê-los pessoalmente.

Pensem nisso: "As pessoas são em tudo mais importantes que as coisas ou acontecimentos".

"Nós só funcionamos bem, juntos". (Nira Santos).

Em Cristo, nós abençoamos a cada um de vocês e desejamos muito amor e presença de Deus em suas vidas. Paz.

Geração de Davi.

Qualquer semelhança não é mera coincidência.

O capítulo 1, do livro de Isaías, começa com uma mensagem duríssima da parte Deus para o seu povo. O teor da mensagem, basicamente, era a demonstração de como eles estavam aos olhos do Senhor. Conforme Isaías 1:1-10 a situação do povo era a seguinte:

-Revolta contra Deus. "Criei filhos e os engrandeci, mas eles estão revoltados contra mim." vs. 2b


-Falta de conhecimento e compreensão da vontade de Deus, "O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, o dono da sua manjedoura; mas Israel não tem conhecimento, o meu povo não entende." vs. 3


-Envolvimento de forma deliberada com o pecado e abandono do Senhor. "Ai desta nação pecaminosa, povo carregado de iniquidade, raça de malignos, filhos corruptores; abandonaram o SENHOR, blasfemaram do Santo de Israel, voltaram para trás." vs. 4


A distância de Deus era uma verdade indiscutível. O povo estava enfermo, terrivelmente doente. Mas apesar dessa situação, caótica e deplorável, o povo continuava agindo como se nada estivesse acontecendo, continuavam oferecendo sacrifícios, ofertas, realizando festas para Deus, oferecendo normalmente o seu culto a Deus. E como não poderia ser diferente, Deus deixou claro que não suportava o descaso, a hipocrisia, a falta de temor em sua presença. Veja Isaías 1:11-17

Situação semelhante acontecia na época de Jesus. Enquanto Jesus, que é próprio Deus, andava pelas ruas de Jerusalém, realizando prodígios, sinais, maravilhas... transformando a vida das pessoas, grande parte do povo, em especial os religiosos, estavam no templo "buscando" a Deus. Muitos deles foram chamados de hipócritas por Jesus, pois valorizavam mais os atos religiosos do que o coração rendido e sincero diante de Deus. Foram acusados pelo próprio Jesus de estarem transformando o templo em casa de salteadores, em covil de ladrões, em um lugar de negócios.

"dizendo-lhes: Está escrito: A minha casa será casa de oração. Mas vós a transformastes em covil de salteadores" Luc. 19:46

"e disse aos que vendiam as pombas: Tirai daqui estas coisas; não façais da casa de meu Pai casa de negócio." Jo. 2:16

O culto que eles prestavam era vazio, mera religiosidade, adoravam a Deus com os lábios, mas os seus corações estavam longe dEle. "Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens." Mt. 15:8 3 e 9

Meus irmãos, infelizmente, diante da observação de como estavam as coisas nos dias de Isaías e do próprio Jesus, não consigo deixar de ver muitas semelhanças com os dias de hoje. Parece que a igreja do século XXI está sofrendo do mesmo mal. Penso que é tempo de refletirmos sobre nossas atitudes, sobre de que forma estamos vivendo e pregando o evangelho de Cristo. É tempo de Eu e Você olharmos para dentro de nós e julgarmos nossas atitudes. Só pra reforçar vou repetir de forma mais clara. É tempo de julgarmos as nossas atitudes e não a dos outros, é tempo de nos preocuparmos com a "trave" em nossos próprios olhos e não com o "cisco" no olho do irmão. Que façamos isso com urgência, sem demora, Deus nos chama ao arrependimento. Lembre-se não há como negar quem somos diante de Deus. O nosso coração está exposto aos seus olhos. E certamente é por causa do grande amor de Deus por nós, sua igreja, que creio que dias melhores virão. Não necessariamente dias mais fáceis, mas ao menos dias em que estejamos mais pertos e mais voltados ao nosso Deus.


No amor do Pai,

Marcos Paulo Correia.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...