domingo, 20 de novembro de 2011

Adoração não se negocia. Escolha Deus!


O rei Nabucodonosor fez uma estátua de ouro, cuja altura era de sessenta côvados, e a sua largura de seis côvados; levantou-a no campo de Dura, na província de babilônia.
Então o rei Nabucodonosor mandou reunir os príncipes, os prefeitos, os governadores, os conselheiros, os tesoureiros, os juízes, os capitães, e todos os oficiais das províncias, para que viessem à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
Então se reuniram os príncipes, os prefeitos e governadores, os capitães, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, e todos os oficiais das províncias, à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado; e estavam em pé diante da imagem que Nabucodonosor tinha levantado.
E o arauto apregoava em alta voz: Ordena-se a vós, ó povos, nações e línguas:
Quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, prostrar-vos-eis, e adorareis a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tem levantado.
E qualquer que não se prostrar e não a adorar, será na mesma hora lançado dentro da fornalha de fogo ardente.
Portanto, no mesmo instante em que todos os povos ouviram o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério e de toda a espécie de música, prostraram-se todos os povos, nações e línguas, e adoraram a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
Por isso, no mesmo instante chegaram perto alguns caldeus, e acusaram os judeus.
E responderam, dizendo ao rei Nabucodonosor: O rei, vive eternamente!
Tu, ó rei, fizeste um decreto, pelo qual todo homem que ouvisse o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, e da gaita de foles, e de toda a espécie de música, se prostrasse e adorasse a estátua de ouro;
E, qualquer que não se prostrasse e adorasse, seria lançado dentro da fornalha de fogo ardente.
Há uns homens judeus, os quais constituíste sobre os negócios da província de babilônia: Sadraque, Mesaque e Abednego; estes homens, ó rei, não fizeram caso de ti; a teus deuses não servem, nem adoram a estátua de ouro que levantaste.
Então Nabucodonosor, com ira e furor, mandou trazer a Sadraque, Mesaque e Abednego. E trouxeram a estes homens perante o rei.
Falou Nabucodonosor, e lhes disse: É de propósito, ó Sadraque, Mesaque e Abednego, que vós não servis a meus deuses nem adorais a estátua de ouro que levantei?
Agora, pois, se estais prontos, quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, para vos prostrardes e adorardes a estátua que fiz, bom é; mas, se não a adorardes, sereis lançados, na mesma hora, dentro da fornalha de fogo ardente. E quem é o Deus que vos poderá livrar das minhas mãos?
Responderam Sadraque, Mesaque e Abednego, e disseram ao rei Nabucodonosor: Não necessitamos de te responder sobre este negócio.
Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei.
E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste.
Então Nabucodonosor se encheu de furor, e mudou-se o aspecto do seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abednego; falou, e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer.
E ordenou aos homens mais poderosos, que estavam no seu exército, que atassem a Sadraque, Mesaque e Abednego, para lançá-los na fornalha de fogo ardente.

Daniel 3:1-20

Quando se fala em adoração da igreja é muito comum lembrarmo-nos de música, até porque a adoração tem, de fato, uma forte ligação com a música e isso não é apenas nos dias de hoje, mas vem desde o período bíblico. Não nos falta exemplos de pessoas adorando com música na bíblia, Davi, Salomão, o rei Ezequias, entre outros. Mas, hoje, gostaria de falar (escrever) do sentido mais profundo, completo e primário da adoração, que está muito além da música.

No Antigo testamento algumas palavras eram usadas. Vejamos:

Hitawa - Significa prostrar-se ou curvar-se.
Shachah - Significa adorar.
Barak - Significa ajoelhar-se em adoração para bendizer ao Senhor.
Havã ou Hawã - Significa prostrar-se, dobrar-se ou submeter-se.
Ãbad - Significa fazer, criar, executar.
Pelah - Significa servir, adorar, reverenciar, ministrar.

O povo de Israel sabia muito bem que adorar a Deus era muito mais de que cantar uma canção para Ele...
... Era serví-lo com fidelidade irrestrita, era obedecê-lo, era cumprir a sua palavra, era serví-lo como um escravo serve ao seu Senhor.
Existe ainda outra palavra para completarmos a compreensão é a palavra Ãtar, que quer dizer fazer uma oração, uma súplica sincera a Deus, orar a Deus com a sinceridade de uma criança. este termo fala que toda essa compreensão do significado da adoração deve ser precedida do entendimento que é o amor sincero e espontâneo que devem motivar esse desejo de adorá-lo de forma fiel e inegociável.

Mesmo no Novo Testamento esse sentido de adoração continua. Vejamos:

Proskuneo - Prostrar-se, beijar a mão do seu Senhor com uma inclinação respeitosa.
Douléuo - Que trás como equivalente, servir, ser escravo, subserviente. Este verbo é usado para expressar o nosso dever de servir a Deus aparecendo em passagens como Mt. 6:24 - At. 20:19 - Rm. 12:11 e 14:18

Isto nos leva ao aspecto de adoração encontrado na Bíblia: uma associação entre adorar e servir. Tudo que somos e possuímos pertence a Deus; por conseguinte, somos servos dEle. Um exemplo deste conceito acha-se em Mateus 4:10, que relata a ocasião em que Jesus foi tentado: "Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele servirás" (ARC). Parece, então, que adorar a Deus de maneira bíblica implica em que reconhecemos ser Ele o nosso Senhor e que temos que serví-lo em nossas vidas.

Pois bem, esse texto do livro de Daniel, que fala da história desse três jovens ilustra muito bem qual a postura correta em relação à adoração: Ela tem que ser inegociável.
Aqueles jovens Sadraque (Ananias), Mesaque (Misael) e Abednego (Azarias), mesmo sob pena de morte não abriram mão da sua adoração, não abriram mão de deixar claro a quem serviam fielmente. Deixaram claro, mesmo sob ameaça, que não negociariam e que sob hipótese alguma adorariam a outros deuses. Deus os livrou da morte, mas eles estavam dispostos a morrer pelo que criam.

E hoje, qual tem sido a nossa postura como igreja em relação a nossa adoração? Em relação a nossa fidelidade a Deus? Infelizmente a igreja moderna parece que não tem se importado muito com o sentido original da adoração a Deus e tem, muito facilmente, negociado a sua fidelidade. É tempo de mudarmos, é tempo de voltarmos ao primeiro amor, é tempo de servirmos a Deus com fidelidade, sem importar o preço. Ele está conosco, sempre. Portanto não negocie sua adoração, escolha Deus.

No amor do Pai,
Marcos Paulo correia.

Não deixe de ouvir essa canção.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

COMPOSIÇÃO: Parte II. Como se dá o processo de composição?



INTRODUÇÃO.

Antes de começar a falar sobre como se dá o processo de composição, uma vez que a afirmação de que: “Nenhuma canção que foi composta, que não esteja registrada Na bíblia, é inspirada por Deus”, rendeu muitos questionamentos. Especialmente a pergunta: Se não é inspirada por Deus então é por quem? Gostaria de comentar brevemente, mais uma vez, sobre como a bíblia foi escrita, para que compreendamos melhor essa afirmação.

I Ponto: A bíblia é o registro da revelação da vontade de Deus. E o que é revelação?

A palavra revelação significa simplesmente um DESVENDAMENTO. É descobrir algo que estava encoberto e que o homem jamais saberia se lhe não fosse revelado.
A revelação se divide de duas formas: A geral e a particular.

A GERAL, é a revelação de Deus através da natureza (Rom. 1:18-21), através da providência de Deus para com o homem e criação (At. 14:17; Col. 1:17) e através da natureza moral do homem (Gn. 1:26).
Em qualquer lugar do planeta, qualquer pessoa pode chegar à conclusão, observando essas três coisas, de que existe um Deus que está acima de todos. Ela só não será capaz de discernir, quem é esse Deus, qual é a vontade dEle pra sua vida, qual é o caráter desse Deus e que interesse Ele tem por ela. Isso só é possível se o próprio Deus se revelar de forma pessoal. Foi isso que Deus fez com os autores bíblicos, se revelou a eles e a bíblia é o registro dessa revelação. A essa revelação chamamos de revelação
PARTICULAR.

II Ponto: A bíblia é o registro inspirado da revelação de Deus. E como isso foi possível?

Deus inspirou os, aproximadamente, 40 homens para registrar sem erro o conteúdo da sua revelação em um período que durou cerca de 1500.

O que é inspiração?


Charles C. Ryrie define inspiração divina como: “O processo divino de supervisão dos autores humanos da bíblia, de modo que, usando suas próprias personalidades e estilos, compuseram e registraram sem erro a revelação de Deus ao homem Nas palavras dos manuscritos originais.”
Ou seja, dizer que a bíblia é inspirada por Deus é afirmar que o próprio Deus garantiu que o que nela foi escrito foi exatamente o que Ele queria que fosse escrito. Deus inspirou os homens para que eles registrassem sem erro a sua revelação.

III Ponto: Além da bíblia que outros registros são inspirados?

A bíblia reivindica apenas para si o status de registro inspirado por Deus. Vejamos:

“Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para repreensão, para correção, para educação na Justiça,”
II Tim. 3:16

A palavra usada para inspiração aqui é Theopneustos, que significa soprado por Deus. Ou seja, Deus é o autor das Escrituras e essas são o produto de Seu sopro criador.

“porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens {santos} falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.”
II Pd. 1:21

O “como” da inspiração - homens “movidos” (lit., “carregados”) pelo Espírito Santo.

Jesus citando as escrituras quando foi tentado pelo diabo disse; “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”
Mt. 4:4 (Jesus se referia as escrituras)

IV Ponto: Como compreender a bíblia e a sua revelação?

Sendo iluminado através do Espírito Santo de Deus. E o que é iluminação?

Iluminação - Esta palavra significa "fazer a luz brilhar". Somos iluminados para conhecemos as verdades bíblicas "sendo iluminados os olhos do vosso coração, para que saibais qual seja a esperança da vossa vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos" (Ef 1.18). A iluminação é para que os crentes descubram as grandes verdades reveladas por Deus na Sua Palavra e a aplicação para as suas vidas. É através da iluminação que o Espírito Santo concede aos cristãos a capacidade intelectual de compreenderem o que foi inspirado e revelado nas Escrituras. É impossível entendermos a situação de pecado sem intervenção do Espírito Santo, que produz luz em nossa consciência. Só os salvos em Jesus podem ser iluminados (I Co 2.14; II Co. 4:3 e 4); a obra de Cristo na cruz não faz sentido para o homem natural (1 Co 1.18)

A declaração de W. C. Taylor, missionário batista pioneiro no Brasil, irá nos ajudar a entender a relação destes conceitos entre si e o sentido de cada um:

"Três doutrinas vão sempre juntas, na inteligente apreciação do valor da Escritura: revelação, inspiração e iluminação. Para o autor (do texto bíblico) veio a Revelação; para a Escritura que ele transmite, veio a Inspiração; para o leitor, que busca saber por meio dela a verdade e a vontade de Deus, virá, nas condições de espiritualidade, a Iluminação. Os profetas e os apóstolos foram Movidos. Suas Escrituras foram Inspiradas. Nós somos Iluminados".

V ponto: Como se dá o processo de composição:

1º É essencial conhecer a Jesus (Ter nascido de novo)Jo. 3:3; II Co.
2:14;
A iluminação vem através do Espírito Santo e só os que nasceram de novo são habitados Por Ele.

2º Ter uma vida de comunhão com Deus. (Oração, adoração, jejum...)
Tg. 4:8

A prática dessas coisas nos deixa mais sensíveis ao Espírito Santo e ao mesmo tempo proporciona muitas experiências com Deus.

3º É fundamental ler e estudar a bíblia.
Col. 3:16

A bíblia é o registro inspirado da revelação de Deus e nós só seremos iluminados para compreendermos essa revelação se lermos e investirmos tempo em seu estudo.

VI Ponto: Conclusão.

Busquemos pois a Deus, leiamos a sua palavra e oremos para que sejamos iluminados na compreensão do texto bíblico afim de produzirmos canções e sermões abençoados para glória de Deus e para edificação da igreja.


No amor do Pai,
Marcos Paulo Correia.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Paul Washer critica blogueiros cristãos

Por Alan César Correa | Colaborador do The Christian Post


Segundo pesquisa divulgada nessa semana pelo IBOP, o Brasil tem quase 60 milhões de internautas, com 55,5 milhões de pessoas com acesso domiciliar.

Em meio a esses milhares uma porção considerável é composta por internautas cristãos.

Apesar dos números da Internet, o pastor e diretor da Sociedade Missionária HeartCry, Paul David Washer, conhecido no Brasil pelos seus diversos vídeos legendados no YouTube, fala sobre a necessidade urgente de sair e pregar o verdadeiro Evangelho ao mundo.

Paul Washer em um vídeo divulgado na rede recentemente, diz “Eu não faço parte da geração de blogs...e internet”, e critica os Cristãos por condicionarem a pregação do Evangelho a blogs e sites da internet.

“Ver todos esses jovens blogando, e brigando sobre assuntos teológicos, de forma que a maioria deles ainda não viveu o suficiente para ao menos, saber ou experimentar o que estão falando”.

O número de usuários Cristãos no Brasil, ainda é um número difícil de mensurar, mas para se ter uma idéia, só no Twitter de Aline Barros, um dos Twitters com mais seguidores no meio gospel, existem mais de 300 mil seguidores. Isso prova que são muitos os evangélicos que estão na Internet.

No Brasil, os jovens cristãos marcam presença em redes sociais como Facebook, Twitter e até o Google +. Mas não é só em redes sociais que eles estão, eles também escolheram os blogs como um caminho para mostrar seus pensamentos, publicar seus próprios artigos e notícias, dizer o que pensa, e interagir com outros milhares de internautas como eles.

Existem milhares de milhares de blogs com perfis evangélicos na rede, e para o missionário Washer esse talento é um enorme desperdício.

“A gente senta lá e enche a internet com esse tipo de coisa, enquanto existem literalmente, bilhões de pessoas que não ouviram o Evangelho”.

Paul Washer trabalha a idéia de que esses bilhões de pessoas que existem no mundo os quais ainda carecem de ouvir o Evangelho não serão alcançados pela internet. Ele exorta para que o tempo dos jovens não seja investido para serem famosos na internet.

“Provavelmente esse não é o seu tempo de escrever um livro e mudar o mundo, ou ter um blog que recebe visitas de todas as partes do planeta”.

“Esse é um tempo de você se preparar para ser um homem de Deus”.

Para o missionário e pastor da primeira Batista de Muscle Shoals, os jovens tem gastado muito tempo em internet e pouco tempo em oração, ele faz um desafio para esses jovens de “estarem a sós com Deus até que Ele derrame o seu Espírito em você e te faça um servo útil”.

Washer diz que há uma necessidade tremenda, e “Deus conseguirá sem você, mas isso seria uma perda”. “Que tamanha perda de alegria”, diz ele convidando os Cristãos para uma vida de verdadeiro sacrifício.

“Saia com a sua vida e pregue o Evangelho para as nações que não conhecem a Cristo.”

“Eu te convido para uma vida de alegria sem igual e cheia de glória”.

Paul Washer reconhece o potencial que existe nos Jovens, assim como Apóstolo Paulo reconheceu potencial em um jovem chamado Timóteo, e por isso pede para que o Jovens, saiam da internet, abram mão de querer ser conhecido nesse mundo, mas “que apenas o céu e o inferno saibam seu nome, Deus porque Ele te ama...e o inferno porque ele te odeia”.

“Vá a algum lugar onde John Macarthur e John Piper não estejam...e pregue o Evangelho, e orem e intercedam”.

(Christian Post)

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Um convite transformador!

Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para vossa alma. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.
MT. 11:28-30


Meus amados, como é comum vermos em nossos dias pessoas que se encontram nessa situação; cansadas, sobrecarregadas, angustiadas, aflitas. São tantos os motivos que podem ocasionar essas coisas; problemas de saúde, financeiros, familiares, uma atividade profissional intensa, a falta de comunhão com Deus. Na verdade, todos nós, mesmo sendo crentes, filhos de Deus, estamos sujeitos a todas essas coisas, todos nós passamos por dias maus, a questão é o que fazer nesses dias? Jesus nos faz um convite que pode transformar o nosso ânimo em dias difíceis, o convite de ir até Ele, o convite de derramar o nosso coração em sua presença, de compartilhar com Ele as nossas angústias e aflicões, de chorar em sua presença, com a incrível promessa de recebermos alívio para nossa alma. Gostaria de compartilhar com você, um breve testemunho de como aprendi as verdades desse texto na prática. Lembro-me bem, a alguns anos atrás, de um dia que ficou marcado em minha vida, um dia que cheguei em casa tão angustiado, tão sobrecarregado, que era díficil conter as lágrimas, sentia um aperto no coração, um "nó" na garganta, uma aflição que parecia não ter fim, tentei disfarçar, afinal, não queria preocupar minha mãe. ( Ainda não era casado ) Lembro-me que não conseguia dormir, então levantei, quando todos já dormiam, fui até a sala e ali me ajoelhei e orei assim: " Senhor estou profundamente angustiado, mas nesta hora quero aceitar o teu convite, quero ir até a tua presensa, quero ir a ti Jesus, na certeza que receberei alívio, quero trocar o meu fardo pelo teu..."

A partir desse momento já não conseguia falar mais nada, as lágrimas tomavam o lugar das palavras, e de uma forma tão tremenda e poderosa, o meu coração começou a se encher de paz, um conforto e um consolo profundo tomou conta de todo o meu ser, só me restava adorar e agradecer a Deus por seu grande amor e cuidado. E o que fiz de mais? Apenas aceitei o convite de Jesus, fui até Ele. Depois dessa experiência já passei por problemas bem maiores, mas nada, absolutamente nada me tira a certeza de que em Jesus há consolo e alívio para qualquer situação. Etendeu? Em qualquer siuação. O meu conselho pra você? Aceite o convite de Jesus, vá até Ele e receba alívio e consolo e tenha o pesado fardo que você tem carregado, trocado pelo de Jesus, que é suave e leve.

No amor de Cristo,
Marcos Paulo Correia.


Segue abaixo a letra de uma canção feita em um desses dias difíceis, que Deus te abençoe.



Dias difíceis, dias de aflições, dias de angústias e tribulações
O que fazer, Para onde ir,
Quando as lutas e os problemas vierem me aflingir.
Eu devo adorar, eu devo te buscar,
Pois a paz e consolo em tua presença.
Eu devo adorar, eu devo te buscar,
Pois em tua presença seguro estou.
Em tua presença a paz,
Em tua presença conforto.
Em tua presença a grande consolação.
Em tua presença a força,
Em tua presença renovo,
Em tua presença nada me faltará.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Conheça o Blog da EBD para músicos.

Pessoal esse é o Blog EBD MUSICAL, a sala de Escola dominical só pra músicos ou pessoas ligadas à música da IEBI. Essa é uma sala composta por músicos que querem muito mais do que aprender a tocar, mas, antes de tudo, querem conhecer, cada vez mais, a Deus e a sua palavra. Acesse!


Ministerio Geração de Davi.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Colocando lenha na fogueira.

"Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação..." I Ts. 4:3


Queridos hoje gostaria que refletíssemos um pouco sobre esse importante tema: Santidade. E, para começar, gostaria de fazer a seguinte pergunta: (Responda rapidamente) O que é ser santo pra você?


A palavra santo, tanto no Antigo Testamento Kadosh, quanto no Novo testamento Hagios, tem o mesmo significado: Separado para Deus.

A Bíblia nos fala sobre três tipos de santificação, três tipos de separação. São elas: Posicional, experimental e final. É lógico que não são esses termos que encontramos na Bíblia, mas a compreensão do texto bíblico nos leva a essa conclusão.

Compreendendo melhor


Santificação posicional: Essa santificação é obra exclusiva de Deus e ocorre no instante exato da nossa salvação, quando nascemos de novo. Deus nos tira (nos separa) das trevas e nos transporta para o Reino do filho do seu amor. (Luz). "Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor," Col. 1:13
Essa santificação não depende de nós, é o próprio Deus que nos tira das trevas para a luz. É um estado. Nós somos santos porque essa é a nossa posição no reino espiritual. Portanto quando pecamos, é um santo quem peca. Quando Paulo escreveu aos irmãos de Corinto, apesar da situação deplorável que estava aquela igreja, Paulo os chama de Santos. "à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." I Co. 1:2 e 3. Texto como o de Hebreus 12:14 que diz: "Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor." se refere a essa santificação posicional, afinal os que não nascerem de novo não verão a Deus. Apesar de ser um texto usado muitas vezes para incentivar as pessoas a se santificarem, sob a pena de não verem a Deus, não é sobre essa santidade que o texto se refere. Reflita comigo. Você acha que a santidade que nós temos seria suficiente para vermos a Deus? (Pode pensar no mais santo dos homens) A resposta é não. Nenhum de nós, por mais santificado que seja, poderia reivindicar isso para si. Logo, o texto se refere a posição que todos aqueles que creem em Jesus, que são igreja do Senhor têm. Somos santos porque Deus nos separou das trevas. Porque Ele nos salvou. E isso é graça.

Santificação experimental: Essa sim, depende também de nós. É a santificação diária que tem relação com a nossa comunhão com Deus. Nesse sentido existe pessoas que experimentam mais a santidade que outras.
Observe esse texto: "Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz" Ef. 5:8 O que Paulo nos ensina aqui é que aquilo que já é uma realidade no reino espiritual, deve ser percebido também no reino físico. Se hoje somos santos por posição, então devemos andar como santos. Devemos aprimorar a nossa santificação no temor de Deus. II Co. 7:1
Mas como viver uma vida santa em um mundo tão corrupto, tão cheio de armadilhas? De fato não é fácil, não existem fórmulas mágicas; existem princípios que não podem ser desprezados, observá-los fará toda diferença. Falarei sobre alguns deles:

Leitura da Palavra. (Bíblia) Gente! ler a bíblia diariamente deve ser uma prática perseguida por todos nós. É a palavra que irá nos alimentar, nos dá força nos dias de adversidade, nos sustentar. Não podemos desprezar essa prática. Não importa a quantidade que lemos por dia, o que importa mesmo é que esse seja um costume diário em nossas vidas.
"De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra." "Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti." Sl 119:9 e 11

A prática da oração: Orar é conversar com Deus. Não existe comunhão sem conversa, sem diálogo, sem comunicação. Não precisamos, necessariamente, parar tudo para falar com Deus. Podemos e temos que fazer isso em todo instante. No trabalho, no ônibus, em casa... A oração nos dá sensibilidade para as coisas do Espírito. É lógico que, se pudermos reservar momentos a sós com Deus durante o nosso dia, melhor ainda. O que não podemos é deixar de orar. "com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos" Ef. 6:18

A importância da comunhão com os irmãos: Meus queridos! como é importante ter pessoas ao nosso lado, como é importante ter satisfação a dar, ter um líder, um Pastor, ter alguém ao nosso lado, próximo a nós. A Bíblia diz: "Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.
Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante." Ec. 4:9 e 10
No livro de hebreus há um conselho sobre a importância de se viver junto como igreja , de congregar. Qualquer um que desprezar esse princípio está vivendo em uma situação de risco. Veja: "Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima" Hb. 10:24 e 25
Meus irmãos! sei que não é fácil ter uma vida de santidade, praticar esses princípios, mas também sei que essa é a vontade de Deus para nós. Há um texto em LV 6:13 que diz: "O fogo arderá continuamente sobre o altar, não se apagará" Mas existia algo a ser feito para que o fogo continuasse aceso. Observe o verso 12: "O fogo, pois, sempre arderá sobre o altar; não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã..."
Praticar esses princípios é como colocar lenha na fogueira todas os dias. É fácil? Claro que não. Você acha que todos os dias os sacerdotes amanheciam dispostos a fazer isso? Faziam porque tinham que fazer. Crescer em disciplina é o que precisamos. Não podemos deixar para lermos a Bíblia, para orarmos, para irmos à igreja, apenas quando tivermos vontade. A nossa santidade depende dessas práticas.

Santificação final: Essa é a mais fácil de entender. É quando estivermos eternamente separados do pecado, revestidos de um novo corpo incorruptível. É Quando estivermos no céu. "Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade.
E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória.
Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?
O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.
Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo." I Co 15:53-57

Conclusão


Quanto mais próximos de Deus estivermos, mais longe estaremos do pecado. Busquemos a Deus e estaremos nos santificando. E, lembre-se, quanto mais perto estivermos dEle, mais notaremos o quanto precisamos buscá-Lo. Leia Efésios Cap. 4 e 5, há ensinamentos importantes sobre santificação.

No amor do Pai,
Marcos Paulo Correia.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Asaph Borba fala sobre a situação de Davi Silva.

Porto Alegre, 11 de maio de 2011.

Prezados Irmãos Em Cristo
"acima de tudo porém esteja o amor que é o vínculo da perfeição" Colossensses 3:14

Há 12 meses atrás fui procurado pelo irmão Davi Silva, que conheço desde 1989, e de quem tenho sido conselheiro em várias estações de sua vida. Nessa ocasião ele me contou sua história recente de como tinha dado lugar ao inimigo e deixou-se macular por engano e mentira aumentando e inventando testemunhos, agindo assim fora da vontade de Deus, ferindo o corpo de Cristo, e maculando seu ministério.

Desde então, gradativamente, fui aconselhando e apascentando seu coração no sentido de submeter-se à disciplina que seu antigo líder havia imposto de afastar-se do ministério até, pelo menos, no final do ano.
Pouco tempo depois Davi me falou de que precisaria sair daquele ministério pois além de ter que buscar o seu sustento, já que não mais viajaria e venderia seus discos, e o que ganhava lhe havia sido cortado, havia também divergências com a visão.
Sabia que ali não seria pastoreado como ele e sua família precisariam, nesta época tão difícil de suas vidas. Depois que me colocou suas razões, a principal no meu entender, e também mais relevante era a ausência de uma Igreja local aonde ele e sua família poderiam estar congregando e sendo curados por Deus.


Pouco tempo depois falei com o líder daquele ministério antes de uma viagem que este faria por um longo tempo, e ele concordou com o fato de eu estar participando do processo, comprovou de que havia orado e abençoado Davi quando este se desligou.

Acompanhei também as negociações do Davi quanto ao seu desligamento da empresa e ministério da qual ele abriu mão de tudo, deixando para trás coisas até legítimas como seus direitos autorais, e suas matrizes pessoais. Meu conselho foi sempre visando resguardar e restituir os irmãos com quem Davi andava que foram também feridos por seu pecado.
No decorrer desse tempo Davi esteve conosco em Porto Alegre aonde pode ouvir com clareza sobre o propósito Eterno de Deus, e a centralidade de Cristo, esteve em nossa casa e em nosso retiro ministerial aonde ficou quieto ouvindo a voz de Deus em humildade e sendo ministrado pelos líderes pastorais da Igreja em Porto Alegre. Todo o processo foi acompanhado por meu pastor Moisés Cavalheiro de Moraes e por meu colega de ministério Jan Gottfridsson a quem narrei os fatos e o andamento com Davi e sua família. Quase todos os meses passei por Londrina e algumas vezes com Rosana, minha esposa, estivemos ministrando à vida de nosso irmão. Recomendei também ao Davi que estivesse procurando líderes locais para oração e conselho o que ele fez prontamente. Por outro lado estivemos participando junto com alguns irmãos de ofertas de amor que foram sendo estendidas ao Davi para ajudar em seu sustento, pois cada mês que passava a situação ficava mais difícil nesta área, mas mesmo assim manteve-se firme no propósito de restaurar a sua vida e ministério.
Neste período vários irmãos participaram também no conselho, no apoio e amor, alguns por telefone e outros em visitas pessoais. Constantemente eu participava cada passo aos meus irmãos de aliança ministerial, Adhemar de Campos, Gerson Ortega, Daniel de Souza, Fernandinho e Sóstenes Mendes. Todos eram unânimes na continuidade da disciplina mas anteviam com expectativa a restauração.
Davi começou também a congregar na Igreja Bola de Neve próxima de sua casa aonde sua filha já costumava congregar e atualmente seus filhos participam do grupo de louvor, cujo pastor Diogo Zampiri Rojas, mostrou amor acolhendo nosso irmão e sua família e passou acompanhá-lo de perto e pastoreá-lo em sua congregação. Em Janeiro de 2011, Rosana e eu marcamos de estar na casa do Davi em Londrina para os últimos passos desse processo. Ao estarmos lá passamos então checar todos os pontos que cremos promovem a restauração de alguém que caiu, e para nossa alegria o querido Davi poderia então recomeçar sua caminhada de volta.
Falei pessoalmente com vários irmãos além dos que aqui já citei, tive também uma longa conversa com Adhemar e sua esposa Aurora que foram unânimes em que o processo de liberação poderia começar desde que com alguns cuidados.
Falei por telefone com o Pastor Diogo e este deu bom testemunho e me confirmou que concorda com a inteira liberação de nosso irmão.
Os passos Bíblicos para restauração a que me refiro são:

1 - Arrependimento - Desde o princípio, pude ver que além de uma profunda vergonha Davi estava arrependido de seu pecado e tinha disposição de fazer o que estivesse ao seu alcance para restaurar-se. O fruto bíblico do arrependimento é a mudança de atitude, o que para Davi envolveria rever sua visão, suas profecias, sonhos, revelações e manifestações, o que lhe foi confrontado por mim e Rosana e acatado em seu coração.

2 - Confissão - Além de ter declarado publicamente que mentiu, e ter confessado especificamente e detalhadamente ao seu ministério, família e a nós, Davi não encobriu o seu pecado e confessou também ao Senhor.

3 - Perdão - Além de confessar Davi pediu perdão a Deus, e aos seus irmãos, e até hoje o faz quando necessário, e recebeu o perdão de todos.


4 - Restituição - Restituiu à sua família com sua atitude de busca profunda por restauração. Restituiu à Igreja com humilhação. Restituiu aos seus antigos líderes entregando-lhes sua parte nas matrizes, produções, estúdio, empresa e ministério, assim como todo o patrimônio de estoque de discos, que era o que tinha para entregar. Quanto à minha posição pessoal, só estou nesse processo por ter encontrado este irmão caído à beira do caminho e vi que poderia ser restaurado se pastoreado e direcionado corretamente.

Vi os fatos sem partidarismos ouvindo e orando por ambas as partes. Acompanhei o Davi com amor, zelando por sua integridade pessoal e pela unidade de sua família, sem de forma alguma macular o ministério de onde ele saiu.
Por fim, coloquei alguns critérios para a continuidade de seu ministério. Primeiramente a necessidade de uma supervisão que estarei fazendo pessoalmente. Também pedi ao Davi que neste primeiro período estivesse mandando para mim suas ministrações e seus novos cânticos, para que eu possa junto com outros irmãos continuar zelando pela verdade da visão e fatos, testemunhos e tudo mais que Deus lhe der, para que assim possa estar vivendo a verdade em verdade, e além de tudo, possa enfim ter vínculos profundos com a Igreja onde congrega e possa crescer e fazer discípulos de acordo com o propósito de Deus.
Creio que esta estação da vida de nosso amado Davi dará muitos frutos que trarão alegrias a todos nós. Recomendo a todos os meus irmãos, que dêem uma nova oportunidade para que o Davi possa continuar a ser útil na edificação do reino de Deus, e continue servindo o corpo de Cristo de forma sadia e FIEL.

No amor do Pai
Asaph Borba
blogdoasaph-blogdoasaph.blogspot.com

sábado, 7 de maio de 2011

COM QUEM NOS PARECEMOS: JESUS OU OS ESCRIBAS E FARISEUS ?

“Então falou Jesus as multidões e aos seus discípulos: na cadeira de Moisés se assentaram os escribas e fariseus. Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem , porém não os imiteis nas suas obras ; porque dizem e não fazem . Atam fardos pesados e difíceis de carregar e os põem sobre os ombros dos homens , entretanto eles mesmos nem com os dedos querem movê-los. Praticam , porém , todas as suas obras com o fim de serem vistos dos homens ; pois alargam os seus filactérios e alongam as suas franjas . Amam o primeiro lugar nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas , as saudações nas praças , e o serem chamados mestres pelos homens . Vós , porém , não sereis chamados mestres , porque um só é o vosso mestre , e vós todos sois irmãos. A ninguém sobre a terra chameis vosso pai ; porque só um é vosso pai , aquele que está nos céu . Nem sereis chamados guias , porque um só é o vosso guia, o Cristo . Mas o maior dentre vós será vosso servo. Quem a si mesmo se exaltar , será humilhado ; e quem a si mesmo se humilhar será exaltado.” MAT.23:1-12

Nesses últimos dias temos visto e ouvido um evangelho que nos incentiva cada vez mais a estar em busca das plataformas , dos púlpitos dos elogios , dos reconhecimentos , dos louvores e de uma glória que não pertence a nós , mas ao nosso DEUS (Rm 11:36 ). Tenho visto que muitas vezes nós confundimos a nossa verdadeira motivação com nossos sentimentos , emoções , feridas e baixa-alta-estima , então o nosso orgulho entra em cena . Talvez, por isso, em alguns momentos da nossa vida nos parecemos mais com os escribas e fariseus do que com o nosso mestre Jesus . Nesse texto ele nos alerta a não imitá-los em suas obras.

Mais , quais são as suas obras ? Em que nos assemelhamos a eles? Será que praticamos as mesmas obras? Enfim. Vejamos , aqui algumas de suas obras :

1-Não praticavam o que pregavam (v.3). Eles tinham a prática diferente do seu discurso, diferente da sua pregação.

Será que nós praticamos o que pregamos? Será que quando declaramos em nossas pregações: Não peque! Estamos sendo os primeiros a observar isso? Ou quando saímos do púlpito, levamos uma vida que não condiz com aquilo que pregamos? levamos uma vida mergulhada no pecado?

No nosso dia-dia , quando cobiçamos , invejamos , falamos mal um dos outros, quando fingimos ser o que não somos, será que não estamos sendo como os escribas e fariseus.



2-dificultavam a prática da lei (v.4). Eles colocavam um fardo muito maior do que as pessoas podiam carregar. Fardo esse que nem mesmo eles carregavam. Será que nós também não dificultamos a prática da palavra de Deus? Será que nós não exigimos das pessoas coisas que nem nós mesmos podemos dar? Como dificultamos, tantas vezes, a prática do evangelho , criando regras e doutrinas até mesmo anti-biblícas que nem a liderança consegue cumprir.



3-Queriam as primazias nas sinagogas (v.6-5). Gostavam de aparecer, de estar em evidência.

Será que não estamos sempre querendo o lugar mais visto da nossa igreja: O púlpito? Para que as pessoas nos admirem, assim como os escribas e fariseus. Estamos querendo os primeiros lugares em tudo, em cantar melhor que a nossa irmã, em pregar melhor, em orar mais alto e com mais “poder”... Exercer chamado hoje virou uma competição de quem faz “melhor”, o congresso mais poderoso, o aniversário do ministério mais badalado, etc. Queremos fazer o melhor não para Deus, mas para nós mesmos, para recebermos elogios e reconhecimentos , para sermos os primeiros e não porque ELE É O PRIMEIRO . Está no púlpito hoje é sinônimo de “status”, de autoridade e de poder, o que era pra ser sinônimo de serviço e renuncia.



4-procuravam honra e glória (v.7-10). Gostavam de serem aclamados, reconhecidos como “vasos de Deus”.

Queriam receber honra e glória por serem líderes religiosos, por ocuparem um cargo importante . Muitos estão sempre esperando ser lisonjeados pelas pessoas, por causa do cargo que ocupam , como se o título de liderança nos desse algum privilégio (como ele diz no verso 11 “Mas o maior dentre vós seja o que vos serve”). O cargo que ocupamos é simplesmente para servirmos a Deus e aos nossos irmãos, se á algum privilégio á alguma coisa errada . Queridos até o dom que Deus te deu é para o serviço do seu reino , como diz o texto lá em Jr.9:24 ,’’ Mas o que se gloriar , glorie-se nisto : em me conhecer e saber que eu sou o Senhor...”.

Espero que toda essa semelhança seja mera coincidência, e que possamos rever nossos conceitos e valores , e principalmente a nossa motivação . Que essa verdadeira motivação sempre nos mova em tudo que formos fazer, não deixe seus sentimentos apagar a correta motivação, e jamais deixe o seu orgulho entrar em cena, pois nós nascemos para a glória de Deus . Deixe a luz de Cristo que está em você brilhar, e toda a glória será dada a Deus. Sejamos pois semelhantes a Jesus em tudo , inclusive no exercer o chamado. Que um dia nós possamos dizer a Deus o que Jesus falou :”Eu te glorifiquei na terra , consumando a obra que me confiaste a fazer’’. (Jo 17:4)



No amor do pai,
Rose Correia.

domingo, 24 de abril de 2011

3 ordens de Jesus para seus discípulos

Jesus nos mandou fazer discípulos para Ele. E deixou bem claro que seus discípulos devem aprender a guardar todas as coisas que Ele ordenou.

Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra.

Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século. (Mt.28.18-20).

Jesus nos mandou fazer discípulos para Ele. E deixou bem claro que seus discípulos devem aprender a guardar todas as coisas que Ele ordenou.

Temos muito que aprender de Jesus, por isto estamos no caminho do reino. Cada lição aprendida, cada ordem obedecida representam passos dados em direção ao alvo.

Nesta pequena reflexão queremos trazer a memória três ordens importantíssimas de Jesus para seus discípulos:

1. Amai-vos (Jo.13.34,35)

A ordem é nos amarmos uns aos outros como o Senhor nos amou.

Entre muitas coisas que já temos ouvido sobre amor, algo define bem esta tremenda ordem de Jesus: “o amor não se baseia em sentimentos mas na vontade comprometida”.

Que assim seja em nossas vidas.

2. Pregai o evangelho (Mc.16.15,16)

Nós fazemos discípulos para pregarmos o evangelho ou pregamos o evangelho para fazermos discípulos?

Discipular e pregar são como dois pés que dão equilíbrio a missão que Jesus nos deu neste mundo.

3. Vigiai (Mt.24.42; 25.13)

A ordem de vigiar visa nos preparar para a vinda de Jesus e o arrebatamento da igreja.

Jesus ensinou que assim como foi nos dias de Noé, o mesmo aconteceu nos dias de Ló. Duas figuras de sua vinda (Lc.17.26,27). No entanto, sobre a mulher de Ló Ele diz: “LEMBRAI-VOS” (v.32). Temos que nos lembrar que ela se perdeu no último momento por falta de vigilância.

Deus abençoe
Daniel Souza
http://www.ameprod.com.br danielsouza@ameprod.com.br


terça-feira, 19 de abril de 2011

O poder do perdão.

"Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, ao ponto de sermos chamados filhos de Deus;e, de fato, somos filhos de Deus. IJo. 3:1a"Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados... Ef. 5:1




Uma das coisas que chama atenção para a paternidade de alguém é justamente a semelhança que há entre pai e filho. Seja essa semelhança física, onde os traços do filho se parecem com os do pai, ou de personalidade, estilo, quando forma de agir, o jeito de falar, se confundem com o do filho. No texto que lemos acima, o apóstolo João chama a nossa atenção para o grandioso fato de sermos chamados de filhos de Deus. De sermos legitimamente seus filhos, por causa do seu grande amor. E considerando essa verdade, Paulo nos ensina a sermos imitadores de Deus, nos encoraja a desejarmos nos assemelhar ao Pai, através de nossas atitudes, como filhos amados.É justamente sobre isso que quero refletir com você.O que fazer para ficar mais parecido com o Pai, mais parecido com Deus? Certamente existem muitas formas de se parecer com o Pai, e todas elas serão sempre um grande desafio para todos nós. Mas hoje gostaria de falar apenas sobre uma delas, a prática do perdão. O perdão nos deixa mais parecidos com Deus, mais parecidos com o Pai.


COMPREENDENDO ALGUNS PRINCÍPIOS SOBRE PERDÃO.


Em Mt. 6: 12,14 e 15, Jesus nos ensina um princípio sobre o perdão. Só poderemos ser perdoados se também perdoarmos, ou seja, Deus condiciona o seu perdão. Só perdoa as nossas ofensas se perdoarmos a quem nos ofende, tão simples quanto isto. É claro que o perdão que o texto se refere, não é o perdão da salvação, este nós obtemos no dia em que entregamos as nossas vidas ao Senhor Jesus. Mas, se refere ao perdão que, quando não liberado interfere na nossa comunhão com Deus, no nosso relacionamento diário com o Senhor. Jesus é radical ao nos ensinar sobre isso. Se quisermos ser perdoados temos que perdoar também. Outro princípio ensinado por Jesus está em Mt. 5: 23-24. Ele nos mostra que a nossa comunhão com os irmãos é mais importante do que a nossa oferta, seja ela de louvor, de gratidão, financeira ou de qualquer outro tipo. O Pai se alegra muito mais com a comunhão dos filhos do que com os "presentes" que Ele pode receber. Percebe a importância que Deus dá à prática do perdão? Jesus não está nos ensinando a deixar de ofertar ao Pai quando estivermos em conflito, magoados, feridos, mas, a se reconciliar antes de fazer a oferta. O texto nos dá a ideia de que isso deve ser feito com brevidade, com urgência. "Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta e vai reconciliar-te primeiro com o teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta". Mt.5: 23-24.


Outro princípio que encontramos na Bíblia sobre perdão, desta vez ensinado pelo apóstolo Paulo, nos mostra o que pode acontecer quando não perdoamos a quem nos ofende. Em IICo.2:10 e 11 está escrito assim: "E a quem perdoais alguma coisa, também eu perdoo, por que de fato o que tenho perdoado, se alguma coisa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo, para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios". Paulo nos esclarece que a falta de perdão faz com que Satanás alcance vantagem sobre nós, ou seja, nos fragilize. A falta de perdão nos deixa vulneráveis aos ataques do diabo. Viveremos uma vida conturbada enquanto não liberarmos perdão a quem nos ofendeu, ou não pedirmos perdão a quem ofendemos. Outro princípio é justamente o resumo de todos os que vimos. Precisamos perdoar porque precisamos ser perdoados Col.3:13. Precisamos ser perdoados porque erramos com muita frequência, seja diante de Deus ou com o nosso próximo.


Para encerrar, gostaria de descrever de forma breve um linda história sobre perdão. A história de Esaú e Jacó Gn.25: 24-28. Esaú era o filho primogénito de Isaque e Rebeca, portanto era o herdeiro da maior parte da herança, era aquele que receberia a bênção patriarcal de Isaque. E a Jacó, irmão de Esaú, estava reservado o que sobrasse da herança e da bênção. Porém, Jacó junto com a sua mãe Rebeca havia planejado tirar de Esaú esse direito. Primeiro, Jacó de forma oportunista e leviana, comprou o direito de primogenitura, em troca de comida para o irmão. Leviano e oportunista porque ele poderia ter dado alimento para Esaú, visto que ele estava faminto, e como se não bastasse, Jacó juntamente com Rebeca, armou o pior dos golpes para seu irmão, de forma premeditada e fraudulenta roubou a bênção que Esaú receberia de Isaque antes de sua morte Gn.27. Jacó, orientado por sua mãe, se passou por Esaú e recebeu a bênção que por direito pertencia a seu irmão. O verso 34 descreve o drama de Esaú: "Como ouvisse Esaú tais palavras de seu pai, bradou com profundo amargor, e lhe disse: Abençoa-me a mim também meu pai".


Como não poderia ser diferente, Esaú que havia sido traído pela sua própria mãe e pelo seu irmão, teve o seu coração invadido por uma mágoa tremenda, por um ódio que tomava conta do seu ser, então ele decidiu matar a seu irmão assim que o seu pai morresse V.41. Rebeca sabendo da intenção de Esaú, mandou Jacó fugir.Muitos anos se passaram, Jacó casou, teve filhos, enriqueceu, teve um profundo encontro com Deus, encontro este que mudou a sua vida. Esaú por sua vez, também casou, teve filhos, enriqueceu, mas isso não era a única coisa que eles tinham em comum. Havia uma situação mal resolvida entre os dois, situação esta que certamente por muitas vezes lhes tirou o sono.


Mas num certo dia, o caminho dos dois voltou a se cruzar. Cumpriria Esaú a promessa de matar a Jacó?


Jacó temeroso orou assim: "Livra-me das mãos do meu irmão Esaú, porque eu o temo, para que não venha ele matar-me e as mães com os filhos" Gn.32:11. Para surpresa de Jacó, Esaú correu ao seu encontro, não para matá-lo, não para feri-lo com palavras ou para se vingar; mas, para abraçá-lo e beijá-lo e para liberar perdão sobre a sua vida. Os dois choraram muito, pois um jugo de muitos anos havia sido quebrado Gn.33:4. Jacó ao olhar para Esaú descreve que viu o seu rosto como se estivesse vendo o semblante de Deus Gn.33:10.


O perdão irmãos, nos deixa mais parecidos com o Pai, mais parecidos com o Senhor. Talves você passou ou está passando por uma situação semelhante a de Esaú. Você foi ferido, machucado, traído por alguém que você amava e considerava muito. Sei que não é fácil, mas só existe um caminho para reencontrar a paz interior, é o caminho do perdão. Você pode e precisa perdoar, afinal você é filho de Deus, a semente dEle está dentro de você, o amor de Deus foi derramado em seu coração.


Querido (a), não perca a oportunidade de se parecer mais com Deus, de parecer mais com seu pai, perdoe.


Ah!, lembre-se da simbólica resposta dada por Jesus a Pedro, "Devemos perdoar setenta vezes sete" ou seja, sempre. Que Deus te dê força e graça.




No amor do Pai,
Marcos Paulo Correia.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Cansado? Talvez esta seja a resposta!

Esta muito cansado do serviço da Igreja? Acha que o que tem feito não está surgindo o efeito que deveria? É impressionante como temos a facilidade de inverter nossas prioridades sem nos atentarmos e ainda por cima dando justificativas coerentes e aceitáveis para a nossa corrida ministerial.

Tinha um pastor que falava o seguinte: “na teoria a prática é outra” . Parece um contra senso, mas na vida de adorador é a mesma coisa , muitas vezes corremos o risco de sermos experts em louvor e adoração , nos dias de hoje as informações estão na tela da TV, computador , sites , revistas , artigos (como este), os encontros acontecem hoje e amanha o mundo inteiro pode ter conhecimento , ver as fotos , ouvir o que foi dito, cantar a mais nova musica do momento e ai vai .... , tudo isso é maravilhoso, nunca na historia da humanidade tivemos tempos como estes, porem , o que me preocupa é se estamos tendo a pratica do que estamos absorvendo como nova geração.


Falamos em ser adoradores como estilo de vida, mas na realidade quanto tempo qualitativo estamos gastando com o Senhor ? Você pode dizer: “ tudo o que faço é com e para o Senhor ” , ok, mas entra-se na questão do valor qualitativo , por exemplo : se eu considero que todas as pessoas são importantes ao mesmo nível para mim , eu posso cair no caso de que eu dou importância para todas e não dou importância para nenhuma ao mesmo tempo , pois não há diferença no meu comportamento diante de todos .


Da mesma forma se estamos com o Senhor o tempo todo como adoradores e tudo o que faço em tese é adoração então nada é adoração porque não há diferença quando eu adoro e quando não. Um exemplo bíblico é a cena de Marta e Maria com relação a Jesus, Marta estava adorando ao Senhor no serviço e não estava errada, afinal isto tinha que ser feito, porém Maria sua irmã ficou ouvindo Jesus, Marta indignada além de não ouvir o que Jesus falava ainda o questionou: Senhor, Tu não te importas? A resposta de Jesus foi uma tremenda maravilha: Marta! Marta! Você está preocupada com muitas coisas; todavia apenas uma é necessária.


Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada. Qual será a melhor parte? É aquela aonde paramos com tudo e ficamos aos pés de Jesus para ouvir sua voz, sua instrução, aquilo que vem da fonte.Não vivemos apenas dessa parte, mas se Jesus fez distinção entre o que Marta e Maria faziam, é porque existe inúmeras formas e maneiras de adorar, porém umas diferem das outras, umas são necessárias outras não. E o que está claro no texto é que intimidade com Deus, ficar aos Seus pés não é apenas uma opção a mais de adoração, é uma necessidade vital para a nossa vida espiritual.


Faça um balanço e veja com quem você está se parecendo mais? Marta ou Maria? Na posição de Líder de Louvor qual tem sido sua fonte? Qual tem sido o seu maior investimento? Com as coisas do reino de Deus ou com o Deus do reino? Sejamos muito mais Maria do que Marta e assim nosso ministério vai florescer e Jesus poderá dizer a nosso respeito: Você escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada.



Deus abençoe

André Loyola

http://www.vidanovamusic.com andguit@msn.com

quinta-feira, 31 de março de 2011

Quando o músico corre perigo




Sinais de que o músico está correndo perigo




A vida ministerial tem alguns termômetros. É importante ficarmos de olhos bem abertos e atentos ao que está acontecendo conosco no presente, pois, é um sinal da realidade que nos espera no futuro.

Geralmente o músico não se preocupa com muita coisa a não ser com a própria música. Tendemos a imprudência, com nossa própria vida e, conseqüentemente, ministério.

Quero afirmar, porém, o amor e cuidado que o Senhor tem para com seus filhos. Não somos simplesmente músicos; somos filhos amados de Deus. A área musical na igreja é tão preciosa e importante para cooperar com a vontade de Deus! É por essa razão que tem sido alvo das armadilhas do inimigo.

Estejamos atentos. Sejamos sóbrios e vigilantes, como nos ensina a palavra (1Pe.5.8).

A partir de algumas áreas analisaremos se nosso ministério corre perigo ou não. Que o Senhor nos ajude a ter um ministério firme e frutífero.


ÁREA 1 - Comunhão com Deus


* Pouco contato com a palavra - sinal de perigo


Deus se revela a nós através de sua palavra. Além disso, a palavra é um recurso poderoso para que sejamos santificados. Não ler a bíblia é um dos piores males que podemos causar a nós mesmos.


É um grande sinal de perigo.


Para meditar (Jo.5.39; Jo.17.17; Cl.3.16)


* Vida pobre de oração - sinal de perigo


Quem não ora não pode se considerar nem íntimo e nem dependente de Deus. Se a oração sempre teve destaque na vida de Jesus o que nos resta, músicos? Para meditar (Ef.6.18; Cl.4.2; 1Ts.5.17)


*Desvalorização do jejum - sinal de perigo O jejum nos ajuda muito na guerra contra a carne. Nosso ventre não é nosso deus (Fl.3.19). Quem nunca jejua deve questionar se de fato o espírito governa o corpo (Rm.12.1) Para meditar (Mt.6.17,18; 2Co.6.4,5)


* Não ter tempo a sós com Deus - sinal de perigo O Senhor sempre e em todo lugar está conosco e nós com ele. No entanto, relacionamento verdadeiro com Deus significa separar um tempo exclusivo para Ele. Prioridade e exclusividade são características do amor verdadeiro. A bíblia nos mostra Jesus valorizando momentos a sós com o Pai. Para meditar (Mt.14.23; Mc.1.35; Lc.5.16) ÁREA 2 - Comunhão com a família


* Não investir tempo com a família (cônjuge, filhos, pais, irmãos - e isso individualmente) - sinal de perigo Quem não investe tempo com sua família está edificando seu ministério na areia.

A família necessita de tempo para fortalecer seus laços. Se os laços da família são frágeis, o músico também é frágil. Muitos músicos estão vulneráveis aos ataques do diabo por não compreender a importância do investimento de tempo na família.

Músicos casados, vocês ainda separam pelo menos um dia para sair e namorar seu cônjuge? Músicos pais, vocês conseguem separar tempo exclusivo com seus filhos? Músicos solteiros, vocês tem irmãos? Vivem em comunhão com eles? Gostam de estar juntos? Para meditar (Mt.22.37-39; Gl.6.9; Ef.5.16)


* Esconder a família - sinal de perigo Conheci um cantor que retirava sua aliança do dedo e a guardava no bolso quando ia ministrar à igreja. Em outro caso, mantive uma amizade de vários anos com um irmão sem nunca ter conhecido sua família.

Muitos ministros nem pensam na possibilidade de ter a companhia de seus cônjuges e filhos nos lugares onde vão ministrar.

Isto é um péssimo sinal. Permita conhecerem sua família. Para meditar (Rm.12.10; 13.7)


* Se sentir incomodado no lar - sinal de perigo Não é só no mundo que algumas pessoas preferem outros lugares a seu próprio lar. Infelizmente, esta é a realidade de alguns em meio à igreja. Além de um porto seguro, o lar é também um lugar de aperfeiçoamento.

Querido músico, você precisa de sua família mais do que pensa. Se você não se sente à vontade em sua própria casa, algo está errado. Conheço alguém que diz exercitar a renúncia todas as vezes que tem de sair de casa para ministrar.

Em uma de suas músicas, Marcos Witt diz que só consegue ficar longe de seu lar por causa de Jesus. Ele expressa a saudade que sente de seus filhos nesta canção considerada, ao menos por mim, uma prova da saúde de seu ministério. Para meditar (Pv.27.8; 1Pe.3.7)


* Não ver a família como o primeiro ministério - sinal de perigo É impressionante e verdadeira a seguinte frase: "a família vem antes do ministério".

A primeira responsabilidade que temos diante do Senhor é o cuidado com nossa própria família. E esse cuidado se torna prático através do amor do marido, da submissão da esposa, cuidado dos pais para com os filhos através do suprimento espiritual, emocional e físico, além da disciplina, da honra e obediência dos filhos a seus pais e do amor dos irmãos.

Família e ministério se fundem.

Para meditar (Ef.5.22-6.4; Cl.3.18-21; 1Tm.3.5)


Deus abençoe

Daniel Souza

sexta-feira, 25 de março de 2011

Amar a Deus com o entendimento?

Amar a Deus com o entendimento (cf. Mc 12.30) é um desafio constante. Como podiam os samaritanos adorar o que não conheciam (Jo 3,22)? Como podem os cristãos adorar, hoje, esse Deus cujo caráter é inatingível? Foi com o intuito de suprir esta lacuna que o apóstolo Paulo pediu a Deus que concedesse aos efésios, “o espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele”, pela iluminação dos olhos do seu coração (Ef 1.17,18). Não podemos adorar sem o auxílio do cooperador divino. Se o Espírito não testemunha com o nosso espírito que somos filhos amados, perdoados, queridos, como poderemos elevar nossas preces até o seu majestoso trono? “Aba”, “paizinho” em aramaico, é maneira de tratar com Deus quando o Espírito derrama seu amor em nosso íntimo (Rm 8.14, 5.6).



Dr. Russel Shedd – Adoração Bíblica – Edições Vida Nova

terça-feira, 22 de março de 2011

A igreja precisa de músicos?


Para começar, gostaria de relatar alguns fatos interessantes sobre a música no Antigo Testamento:

1- Primeira informação sobre músico na Bíblia (Jubal). Gn.4:21.

2- Levitas: Descendentes de Levi, filhos de Jacó;

3- Motivo da escolha dos Levitas: Ex. 32:25-29.

4- Seus serviços: Cuidar do Tabernáculo. Nm. 1:50-53 e carregar a Arca da Aliança ICr. 15:2.

5- O rei Davi insere a música como parte do culto a Deus. ICr.6:31 e 32.

6- Função dos Levitas músicos: Louvar ao Senhor na Casa de Deus e Atrair a Sua glória. IICr.5:13-14.


Resumo: Os Levitas eram pessoas “especiais”, escolhidas para um fim específico. Andavam com os príncipes e sacerdotes, eram separados, viviam apenas a exercer suas funções; preparar o ambiente para que Deus visitasse o seu povo, atrair a Glória de Deus, carregar a Arca (presença) de Deus.


Tenho meditado sobre o tema há alguns dias e confesso que estou preocupado com a exagerada importância dada aos ministérios de louvor das igrejas, já que nos tempos modernos um culto sem música seria “antiquado”.

Com a necessidade de ter música nos cultos, os líderes das igrejas acabam arregimentando os músicos sem o mínimo de critério, oferecendo-lhes certas regalias, de astros às vezes, onde a própria igreja acaba achando normal o “esquadrão de elite”, crentes acima da média, escolhidos por Deus para abençoar a igreja através da música.
Seria lindo se não fosse trágico!

Temos aprendido durante anos, que nós músicos somos os Levitas de hoje, com todos os direitos e deveres, principalmente o de atrair a Glória de Deus para as nossas reuniões. Somos chamados de guerreiros, profetas e ungidos de Deus, e acabamos por nos acomodar com todos os adjetivos que nos fazem sentir especiais perante a igreja.

Não quero culpar ninguém por isso, mas trazer à tona o problema que as igrejas têm enfrentado: Músicos rebeldes, sem compromisso com Deus, com a igreja e com seus líderes, mas com um exagerado amor à música, ao ego e ao “palco”.

Por outro lado temos os músicos compromissados com Deus, com a Palavra, com seus líderes, com a igreja em que congregam; oram, lêem a Bíblia, etc. Mas, carregam um fardo muito pesado, trazer sempre a presença de Deus aos cultos “se o culto não é uma benção” a culpa é do ministério de louvor que não deve estar bem”, acho que você já deve ter ouvido isso.
Até quando os irmãos estarão dependendo da unção dos músicos da igreja para sentir a presença de Deus?

O que Jesus Cristo veio fazer ao morrer por nós, foi abrir definitivamente, a porta que nos leva a Deus, rasgando o véu que nos separava. Agora, em Cristo, somos todos sacerdotes, temos acesso direto ao Pai, ou seja, não precisamos dos outros para estar na presença de Deus, para ser ministrados por Ele.

Precisamos viver um evangelhos sem mentiras 1Jo. 1:14, de acordo com a Palavra , não porque somos músicos na “casa” de Deus, mas por que somos Seus filhos e O amamos e queremos agradá-Lo, independente do cargo ou ministério que exerçamos.

Não quero aqui me eximir das minhas responsabilidades como músico, mas alertar à igreja de que o compromisso com a Palavra, com oração e evangelismo não é só para quem sobe em púlpito, mas para todos os Seus filhos.

Observações para meditar:

1. Música não é dom espiritual
2. Você músico, não é mais especial que os outros;
3. É necessário nascer de novo. Rm. 10:9-10, Gl.2:20
4. Teu talento musical não impressiona a Deus (existem músicos que acham o contrário).
5. Aquilo que impressiona aos homens, mas não a Deus, não serve para a igreja. Gl.6:8 e Rm.8:7-8.
6. Cuidado com as apresentações nos “palcos” das igrejas.
7. A igreja precisa de músicos ungidos, mestres ungidos, pregadores ungidos, líderes ungidos, mulheres e homens ungidos, pois a unção faz a diferença. IJo.2:27-29.



Um abraço a todos e que Deus vos abençoe.

Gercino Alves – Líder do Min. Geração de Davi.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Deus não quer musicalidade

Falhamos quando pensamos que Deus está à procura de músicas lindas, arranjos bem executados e acordes complexos. Muitas vezes não compreendemos que nosso grau de musicalidade não vale nada perante Ele. Deus não está a procura de pessoas talentosas e muito menos deseja seus talentos. Ele quer corações! Deus deseja encontrar corações contritos, humildes e que O amem de verdade. Não importa se estou executando um dó maior ou cantando duas oitavas acima, se meu coração não está “executando” a verdadeira adoração ao Pai, estou perdendo tempo.

É evidente que a verdadeira adoração requer o meu melhor. É no meu melhor que Deus se compraz e se agrada. Por isso, quando você for oferecer algo ao Senhor, ofereça nada mais que o teu melhor. Se o teu melhor é executar três acordes, então execute os três acordes. Se o teu melhor é executar oito acordes dissonantes e três consonantes, execute-os. Mas, lembre-se, perante Deus esta diferença técnica não fará diferença alguma. Todavia, não caia na mediocridade de dizer: “Para Deus qualquer coisa vai!”. Quem profere este tipo de frase joga na cara de Deus que Ele não merece nenhum um pouco de esforço! Ofereça o teu melhor com sinceridade e pronto!

Querido irmão, siga o meu raciocínio. O que faz Deus descer da Sua glória e majestade, onde está rodeado por anjos prostrados em adoração constantemente, para ouvir o seu Zé tocar um violão desafinado num culto de terça-feira à tarde? Será que é o seu talento? Será que é o seu grau de musicalidade? É óbvio que não!!! O que faz Deus escutar o louvor do seu Zé é a postura de seu coração, que é sincero, humilde e agradável aos Seus olhos! É a retidão de seu Zé que atrai a atenção de Deus. Não é exatamente isso que os versos de João 4.23,24 nos ensinam? Só para comentar, lá diz que Deus procura verdadeiros adoradores, não adoradores talentosos! Então, Deus não quer músicos bons, cantores super afinados, e corais que conseguem dividir as vozes em todas as classificações possíveis... se fosse assim, Tom Jobim teria se convertido !?! Querido, reflita no parágrafo abaixo.

Os melhores corais que existem estão no céu, louvando a Deus. Os melhores músicos estão ao redor de Deus em adoração. Os bateristas e percussionistas mais rápidos que existem são celestiais. Deus é o melhor músico que sempre existiu, de eternidade à eternidade e dizem que o segundo melhor se desviou. Realmente, o nível musical do céu não é brincadeira! Sabendo isto lanço um questionamento: Há alguma coisa que possamos fazer aqui no planeta Terra, que não haja melhor lá no céu? Será que existe algo que possamos fazer que seja comparável ao que os seres celestiais estão oferecendo a Deus neste exato momento? Será que o som dos melhores equipamentos de áudio disponível nas igrejas de hoje chega aos pés do glorioso som produzido no céu? Não irei responder a estas perguntas...

Querido irmão, o louvor e a adoração que oferecemos a Deus dependem unicamente de duas coisas: nossa motivação e o estado do nosso coração. Não dependemos de profunda teoria musical para agradar ao Pai. Aliás, não dependemos de teoria musical alguma. Simplesmente, façamos o possível para oferecer o nosso melhor. Deus não está interessado no teu pior, muito menos no teu melhor insincero. Agora podemos compreender com mais clareza que Ele não está à procura de músicas lindas, arranjos bem executados e acordes complexos. Ele está a procura de corações. Ele procura corações que “executam” uma verdadeira adoração. Se você tiver alguma dúvida sobre esta questão, pergunte a Jesus. Foi Ele quem disse isso,



Um abração em Cristo Jesus
Ramon Tessmann
http://www.ramontessmann.com.br ramon@vidanovamusic.com

quinta-feira, 17 de março de 2011

Deus é musical?

Pode haver pergunta mais misteriosa do que esta? Qual a relação entre Deus e a música? Teria a música algo a ver com a redenção humana? Para estas e outras perguntas encontramos respostas nas Escrituras.

Deus é musical e é a origem da música O livro de Jó, no capítulo 38, versículos de 4 a 7, relata o momento sublime da criação. Lá estava o Todo-Poderoso "lançando os fundamentos da terra". O versículo 7 nos traz a impressionante revelação de que havia música na criação: "...quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam..."

É fácil perceber que antes da criação a música já existia, por onde se conclui ter sido criada por alguém que só pode ser o Senhor Deus.


Esta música era perfeita até sofrer as conseqüências resultantes do pecado do homem instigado por Satanás. Daí por diante, tornou-se decaída e misturada, de acordo com os sentimentos do homem, que é capaz de amar e odiar quase ao mesmo tempo. Deus é Criador de Instrumentos "Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom..." Gênesis 1:31.


Lá estava o Éden, jardim de Deus. De acordo com Ezequiel 28:13-15, havia no Éden um lugar, mais precisamente um monte santo, onde um querubim especial tinha a responsabilidade do serviço musical. Para isso ele dispunha de alguns instrumentos, entre eles: pífaros e tambores, com os quais cumpria o propósito divino. Outra importante revelação bíblica: "...a obra dos teus tambores e dos teus pífaros estavam em ti; no dia em que foste criado foram preparados" - v. 13.


Aqueles instrumentos foram preparados por alguém, certo? Quem foi este alguém? A resposta é: o Senhor Deus! Quando o querubim foi colocado naquele lugar, encontrou tudo pronto. O Deus Todo-Poderoso já havia preparado para ele os instrumentos musicais.


Deus é compositor Até parece brincadeira, mas a verdade é que o texto bíblico nos revela ter havido um dia em que o Senhor Deus resolveu se comunicar com seu povo através de um cântico de sua autoria: "Escreverei para vós outros este cântico, e ensinai-o aos filhos de Israel; ponde-o na sua boca, para que este cântico me seja por testemunha contra os filhos de Israel" - Deuteronômio 31:19.


Depois da obra da cruz, onde se deu a restauração espiritual e moral do homem, também foi restaurada a musicalidade divina. Davi declara que depois de ter sido tirado de um lago horrível, do poço de perdição, foi colocado sobre uma rocha (a figura de Cristo) e recebeu um cântico novo (Salmos 40:2-3). Este cântico novo é a música divina presente no homem regenerado, e que agora faz parte de sua nova vida (Salmos 42:8), de seu relacionamento com Deus (Salmos 30:12), com os seus irmãos (Efésios 5:19) e de seu testemunho diante dos homens (Salmos 40:3; Salmos 126:2).


Agora entendemos o propósito divino com relação à música. Ela foi criada por Deus e colocada no homem para que este o adore com amor todos os dias e por toda a eternidade!"Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor, todas as terras. Cantai ao Senhor, bendizei o seu santo nome; proclamai a sua salvação, dia após dia" - Salmos 96:1-2.


Deus os abençoe,

Adhemar de Campos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...